segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

O Menor, Aquele que se Esvaziou

Não obstante, o próprio Jesus se colocou entre os “anawin” (do hebraico, que quer dizer “aquele que se curva”, isto é, o pobre de espírito) e se ofereceu como modelo (Mt 11, 26), mais ainda, reconhecemos sua humildade radical em sua kenósis (do grego esvaziamento, aniquilamento) diante do projeto do Pai: “Ele existindo em forma divina, não se apegou ao ser igual a Deus, mas despojou-se, assumindo a forma de escravo e tornando-se semelhante ao ser humano. E encontrado em aspecto humano, humilhou-se, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz! Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo nome, para que, em o Nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua confesse: “Jesus Cristo é o Senhor”, para a glória de Deus Pai” (cf. Fl 2, 6-11).

De tudo que falamos podemos então entender como humilde aquele que se coloca como um “anawin” diante de Deus, confiante na Sua providência e servo diante dos irmãos. Diferente do soberbo, que confia apenas em si mesmo, o humilde, sabe que possui virtudes e que estas são provenientes de Deus para o bem do próximo. É por isto, por exemplo, que vai ensinar o Catecismo da Igreja Católica que a humildade é a virtude essencial para se possuir vida de oração (cf. n. 2559).
Resta-nos a pergunta: Como hei de chegar á humildade? A resposta imediata é: ‘Pela graça de Deus.’ Somente a graça divina nos pode dar a visão clara da nossa própria condição e a consciência da grandeza de Deus que da origem a humildade.


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

A Batalha contra a sensualidade

Quero, pois, que cada um de vós se divida em duas partes, como inimigas mortais uma da outra: a razão e a sensualidade. A razão deverá armar-se com a espada do ódio (pelo pecado) e do amor (pela virtude). Não deverá ser uma guerra feita de moleza, mas como vigor, porque ocorre matar a sensualidade, que nos faz perder a graça e nos afasta de Deus. Algumas vezes a sensualidade finge-se de morta, para cairmos em falta maior. Ela parecerá estar morta em nós, não sugerindo nenhuma tentação. Então nossas ações e pensamentos se elevam com fervor a Deus. Parece-nos estar no céu.

Mas, se enfraquecermos a luta, se depusermos a espada e nos descuidarmos, a sensualidade se erguerá mais forte do que nunca, fazendo-nos cair miseravelmente.

Quero que assumais essa guerra, meus filhos, com a intenção de nunca fazer a paz. Ao contrário, que continuamente aumentemos a batalha, dando à sensualidade o que lhe desagrada e jamais o que é do seu agrado. O cão de guarda da consciência dará latidos para acordar a razão, de maneira que o menor sentimento passe pelo coração, sem ser previamente avaliado pela razão. Assim, que nenhum sentimento errado fique sem ser punido e repreendido. A maldosa sensualidade deve ser escrava da razão e esta, sua senhora.

Mas, se fordes negligentes e tíbios, jamais vencereis esta inimiga, a sensualidade, nem os outros dois inimigos, o demônio e o mundo. Foi por isso que disse desejar vos ver lutadores fortes, e sempre vencedores. Coragem, filhos! Tomais aquela espada e conservai-a sempre nas mãos do livre-arbítrio até o dia da morte, pois naquele dia desaparecerá este último inimigo, deixado por Deus para nossa utilidade, ou seja, para que se adquiram as virtudes com suor e o auxílio da graça divina. Nada mais acrescento.

(Cartas de Santa Catarina de Sena - nº 332-3, págs. 1094 e 1095)


São Tomás de Villanueva



"Quem você teme, pecador, se já detestou os teus pecados? Como é possível condená-lo aquele que morreu para o salvar? Se você volta a seus pés, como o rejeitará aquele que veio do céu para procurá-lo quando você fugia dele?”


Postagem em destaque

Padre Francesco Bemonte

Padre Francesco Bemonte - Presidente da Associação Internacional de Exorcistas. São Pio de Pietrelcina, como também o beato carmelita e...