quarta-feira, 30 de maio de 2018

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Santa Teresa de Ávila

Santa Teresa de Ávila (1515-1582) - Carmelita - Doutora da Igreja.

Pelos frutos, pois, os conhecereis.

"Minhas irmãs: como é fácil reconhecer entre vós aquelas que têm verdadeiro amor ao próximo e aquelas que o têm num grau inferior! Se compreendêsseis bem a importância desta virtude, não teríeis outra preocupação. Quando vejo pessoas muito ocupadas em examinar o seu recolhimento e tão imersas em si mesmas quando o praticam que nem ousam mexer-se para não desviar o pensamento, com medo de perderem um pouco do gosto e da devoção que aí encontram, penso que compreendem muito mal o caminho que conduz à união. Imaginam que a perfeição consiste nessa maneira de fazer as coisas.

Não, minhas irmãs, não. O Senhor quer obras. Quer, por exemplo, que se virdes uma doente a quem podeis aliviar, deixeis de lado as vossas devoções para lhe dar assistência, e que lhe testemunheis compaixão, que o seu sofrimento seja o vosso, e que, se necessário, jejueis para que ela tenha o alimento necessário. E tudo isto não tanto por amor dela, mas porque é essa a vontade do nosso Mestre. Eis a verdadeira união com a sua vontade."


quinta-feira, 10 de maio de 2018

Serva de Deus - Maria Simma

“As Almas do Purgatório me disseram” 

Este é o titulo de um livro escrito por Maria Simma, uma senhora nascida na Áustria no ano de 1915, na pequena aldeia de “Sonntag”, em família muito pobre. Segunda de oito filhos, desde pequena rezava muito pelas almas, como a sua mãe. Teve a graça de receber visitas de almas desde os seus 25 anos de idade, pelo resto de sua vida. Não pretendemos resumir o livro, mas apenas mencionar alguns pontos.
Pode parecer estranho, porém não é novidade na história da humanidade. Encontramos uma série de relatos, inclusive feitos por santos canonizados, como o Santo Cura d’Ars, São João Bosco, Santa Catarina de Gênova (que escreveu muito a respeito), e muitos outros. O mais interessante é que todos esses relatos são muito semelhantes um ao outro.

A primeira alma veio à sua casa no ano de 1940, das 03 às 04 horas de madrugada.

Diz ela: Ouvi alguém andando no meu quarto e acordei. Olhei para ver quem podia ter entrado. Era um estranho, que andava lentamente. Perguntei severamente: “Como entraste? Que coisa perdeste? Que fazes tu?” Mas como não me respondia, levantei-me para segurá-lo, e toquei no nada! O homem havia desaparecido. Voltei à cama e de novo comecei a senti-lo. Outra vez me levantei para segurá-lo, mas de novo esbarrei no nada. Perplexa voltei à cama. Ele não voltou, mas não consegui mais dormir. Aliás, minha mãe dizia que desde pequena nunca tive medo de nada. Pela manhã, após a Missa, encontrei-me com o meu Diretor Espiritual. Ele me disse: “Se tudo acontecer de novo, não pergunte quem és, mas pergunte que coisa queres de mim?
Na noite seguinte, o mesmo homem retornou. Perguntei: “Que coisa queres de mim?” Ele disse: “Manda celebrar três missas por mim e serei libertado.” Então compreendi que era uma alma do purgatório. O meu Diretor Espiritual me confirmou. Aconselhou-me a não rejeitar as almas do purgatório, mas de acolhê-las com generosidade. Por alguns anos continuaram poucas visitas, mas depois vieram mais e mais. Muitas vezes pedem Santas Missas por elas e pedem para que participe delas. Pedem para rezar o Santo Rosário, a Via Sacra ou outras orações em suas intenções.

QUE COISA É O PURGATÓRIO?

Conforme contam as almas, é uma favor da parte de Deus. Imagina um dia lhe aparecer um ser extraordinariamente belo. Ficaríeis fascinados e atônitos por esse ser de grande beleza. Tanto mais se Ele demonstrar ser enamorado de vós. Queima já no vosso coração o fogo do amor que vos faz querer abraçá-lo. Mas eis que vos dais conta que não sois lavados (c0nfessado) há meses, tendes um mau cheiro, vos sentis horrivelmente feios! Então vós mesmos direis: “Não, não é possível que me apresente neste estado. Preciso primeiro me lavar, tomar um banho (confessar) e depois tornar a vê-lo.
O purgatório é exatamente para isto. Para o pecador ter oportunidade de se purificar antes de abraçar Jesus. Nenhuma alma do purgatório quer voltar, porque essas já têm um conhecimento de Deus infinitamente superior ao nosso, e não querem mais retornar às trevas deste mundo. A escolha pelo purgatório é voluntária. Elas mesmas que decidem ir para o purgatório e se purificarem antes de entrar no paraíso.

QUAIS OS PECADOS QUE LEVAM AO PURGATÓTIO?

São os pecados contra a caridade, contra o amor ao próximo, a dureza de coração, a hostilidade, a calúnia, sexo livre, sim, todas essas coisas. Porém a maledicência e a calúnia são as mais graves, que necessitam de uma longa purificação.

E COMO EVITAR O PURGATÓRIO?

Ter um coração bom para com todos. A caridade cobre uma multidão de pecados. Devemos fazer muito pelas almas do purgatório, porque elas nos ajudam sempre. É preciso ter muita humildade. É esta a maior arma contra o maligno. A humildade elimina o mal. Eu conheci um jovem de vinte anos. Habitava um lugarejo vizinho ao meu. Este lugar foi duramente castigado por avalanches que mataram grande numero de pessoas. Uma tarde, quando se encontrava na casa de seus pais, inesperadamente veio um desabamento terrível vizinho à sua casa. Ele ouvindo os gritos desesperados de socorro, se levantou para prestar ajuda àquelas pessoas. A mãe, fechando a porta, disse: “Não! Os outros irão socorrê-los, não nós! Não quero que sejas um morto a mais.” Mas o jovem disse: “sim, eu vou! Não quero deixá-los morrer assim!”. Eis que o jovem ao sair, foi soterrado e morreu. Dois dias depois ele veio visitar-me durante a noite e me disse: “Manda celebrar três missas por mim e serei libertado. Tive uma vida cheia de pecados, mas pelo grande ato de amor, colocando em risco a minha própria vida, o Senhor me acolheu assim tão depressa com benevolência. Sim, a caridade cobre uma multidão de pecados.” Neste episódio se vê, como um só ato de amor desinteressado foi suficiente para purificar este jovem de uma vida toda vivida no pecado. O Senhor aproveitou este momento de amor para chamá-lo a si.

A SANTA MISSA:

Este é o meio mais eficaz para facilitar a libertação das almas do purgatório, porque aí é o próprio Cristo que se oferece a Deus por amor a nós. Se em vida tivermos rezado e participado das missas com todo coração, e durante a semana tivermos vivido segundo o nosso tempo disponível, essas missas trarão um maior proveito para nós quando morrermos, do que as que forem celebradas depois. Uma alma do purgatório vê muito bem o dia do seu funeral, e preocupa-se se rezam verdadeiramente por ela, ou se simplesmente faz-se ato de presença ara mostrar que forma ao velório! As almas dizem que as lágrimas não servem de nada para ajudá-las. Ao contrário, a oração serve muito!

O SOFRIMENTO E O PURGATÓRIO:

A primeira vez que uma alma me perguntou se eu queria sofrer por três horas por ela, eu disse para mim mesma: “se é só por três horas, vou aceitar”. Mas aquelas três horas me pareciam que duravam três dias, os sofrimentos eram terríveis. Mas no final olhei para o relógio e vi que haviam passado somente três horas. Esta alma depois me disse que por eu ter aceitado sofrer por três horas, ela havia sido poupada de passar mais vinte anos no purgatório. Mas é possível? Bem, quando se sofre sobre a terra, e ainda mais voluntariamente, podemos crescer no amor de Deus. Isto não é o caso do sofrimento no purgatório, que serve somente para purificar os pecados. Sobre a terra temos todas as graças, temos a liberdade de escolher.

INDULGÊNCIAS:

As almas dizem que também as Indulgências têm um grande valor, seja para libertação delas, seja para nós. Talvez seja até uma verdadeira crueldade não aproveitarmos esses tesouros que a Igreja nos propõe em favor das almas do purgatório. É pouco sacrifício para muito proveito. As almas do purgatório não podem fazer nada por elas mesmas. São totalmente impotentes, e se os vivos não rezarem por elas, ficarão em completo abandono. Eis porque é importante utilizar o imenso e incrível poder que todos nós temos nas mãos para ajudar a libertar as almas que sofrem. Esta é talvez a maneira mais bela de exercitar a caridade.

REENCARNAÇÃO:

As almas dizem e afirmam que Deus nos dá uma só vida e que acreditar nesta insídia é um mal e uma ofensa imensa contra Deus, e que Brada o Céu e fere o Sacratíssimo Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo!

EXISTEM PADRES NO PURGATÓRIO?

Sim, são muitos. Estão lá por não terem ajudado aos seus fiéis a terem respeito pela eucaristia. Negligenciaram a oração e a sua fé diminuiu. Porém, é também verdade que muitos mais foram diretamente para o céu.

EXISTEM CRIANÇAS NO PURGATÓRIO?

Sim, mas para elas o purgatório não é muito longo nem muito penoso, porque a essas falta o pleno discernimento.

PECADOS CONTRA A NATUREZA HUMANA:

As almas que eu conheci (do purgatório) não se perderam, mas devem sofrer muito para purificar-se. Em todas as perversões está presente a obra do maligno e, de um modo particular, no homossexualismo. Diria para rezarem, sobretudo a São Miguel Arcanjo, porque é ele, por excelência, quem combate o maligno.

A PRÁTICA DO ESPIRITISMO:

Conduz a perdição eterna. É sempre o diabo que faz mover as coisas e move a vontade do homem em acreditar. Não é lícito chamar as almas. A mim elas vêm por permissão de Deus, eu não as chamo. No espiritismo, invocam-se os espíritos, mas é o próprio demônio que vem fingindo ser a alma deste ou daquele outro. Apresenta-se com falsa aparência, sem ser chamado. Uma vez, uma alma veio encontrar-me e me disse: “Não deves acolher a alma que virá depois de mim, porque ela te pedirá muito sofrimento. Tu não tens saúde para aceitar aquilo que ela te pedir.” Fiquei perturbada, pois meu Diretor Espiritual me havia dito que devo acolher com generosidade os seus pedidos. Pensei comigo: será que aquele é o demônio? Fiz o sinal da cruz e disse àquele homem: “Se tu és o demônio, retira-te!” De súbito soltou um forte grito e fugiu. E a alma que veio depois, era verdadeiramente uma alma que precisava muito da minha ajuda, e a atendi.

OS BENS MAL ADQUIRIDOS:

Fiquei mais conhecida, quando as almas começaram a pedir-me para suplicar às suas famílias a fim de que restituíssem um bem adquirido ilicitamente. Os familiares viram que o que eu dizia era verdadeiro. Muitas vezes as almas vieram encontrar-me para dizer-me: “Vai a minha família, em tal lugar, e diz ao meu filho, ao meu pai, ao meu irmão, para restituir tal propriedade, tal soma de dinheiro, tal objeto, e eu serei libertada do purgatório quando estes bens forem restituídos (porque eu participei do ato ilícito). E assim ficavam maravilhadas por eu conhecer tudo. Fiquei conhecida, porque os jornais publicaram esses acontecimentos.

_____________________________________________________________________________

UMA PROPOSTA PARA TODOS:

Tenho uma proposta para fazer a todos aqueles que leram estes belos testemunhos. A proposta é esta: de tomarmos a decisão de nenhum de nós ir ao purgatório. Isto é perfeitamente possível. Nós temos tudo nas mãos. São João da Cruz disse que a providência de Deus provê sempre, na vida de todo homem, a purificação necessária, a fim de que, quando chegarmos no momento da morte, possamos ir diretamente para o Céu. A providência coloca nas nossas vidas bastante contrariedades, provas, sofrimentos, doenças e faz com que esses meios de purificação sejam suficientes para nos conduzir, se assim quisermos para o Céu.
Mas porque são tão pouco utilizados? Porque nós nos rebelamos, não acolhemos com amor, com reconhecimento, este presente valiosíssimo que são as provas e os sofrimentos na nossa vida, e os perdemos por causa das nossas rebeliões e pela não submissão. Agora, peçamos ao Senhor, a graça de saber acolher verdadeiramente cada ocasião, a fim de que no dia da nossa morte, Jesus nos veja resplandecentes de beleza e de pureza.
Certamente se nós decidirmos isto, não digo que o caminho será fácil, pois o Senhor jamais disse que seria, jamais prometeu a facilidade, mas o caminho será na paz e será um caminho de encontro e felicidade, isto sim. O Senhor estará conosco, sobretudo se quisermos aproveitar o tempo que nos resta aqui na terra, tempo este tão precioso, durante o qual nos é agora concedido crescer no amor, enquanto que as almas do purgatório não podem fazer mais nada por si mesmas. Cada ato de amor que nós oferecermos ao Senhor, cada pequena renúncia, cada pequeno jejum, cada pequena privação, cada luta contra nossas tendências e contra os nossos defeitos, os pequenos perdões aos nossos inimigos, em suma, todas as pequenas coisas que possamos oferecer, será para nós, mais tarde, um ornamento, uma joia, um verdadeiro tesouro para a eternidade.

Agora acolhamos cada ocasião para sermos belos como Deus deseja desde já! E se víssemos em plena luz, o esplendor das almas puras, o esplendor de uma alma que é purificada, nós choraríamos de alegria, de maravilhados, tanta é a sua beleza. A nossa pureza não consiste em não havermos cometido jamais erros, mas em saber arrepender-nos dos que cometemos e em sermos humildes. Vejam! Isto é muito diverso. Os santos não são pessoas impecáveis, mas são aquelas que sabem levantar-se e pedir perdão, cada vez que caem.
Agora, acolhamos também, nós todos, esses maravilhosos meios que o Senhor colocou em nossas mãos para ajudar as almas do purgatório, que ainda sofrem por não terem chegado até Deus. Não esqueçamos que a oração das crianças tem um poder imenso no coração de Deus. Ensinemos as crianças a rezarem. Lembro-me de uma criança da qual haviam falado as almas. No final, haviam dito: “Agora tu rezas pelas almas de todos os teus familiares e de todos os teus amigos que já morreram. Não queres tu andar diante de Jesus para rezar por elas?” Ela foi diante de Jesus e cinco minutos depois retornou e eu lhe perguntei “Que coisa pediste ao Senhor?” Ela me respondeu: “Eu pedi para libertar todas as almas do purgatório!” Esta resposta me deu tanta ternura, porque eu fui um pouco mesquinha na minha pergunta. A pequena, em vez entendeu rápido que coisa precisava pedir. As crianças têm verdadeiramente esta sensibilidade imediata, e têm muito poder sobre o coração de Deus.
Queria dizer também que os aposentados, e todos aqueles que têm o tempo livre, andassem mais assiduamente à Santa Missa. Poderiam acumular sufrágios não somente para eles, mas também para os seus falecidos e por milhares e milhares de almas. O valor de uma só Missa é incomensurável. Ah, se todos se dessem conta! Quantas riquezas nós perdemos, por causa da nossa ignorância, da indiferença, ou simplesmente pela nossa preguiça! E dizer, que temos em nossas mãos o poder de salvar os nossos irmãos, tornando-se nós mesmos coredentores, junto com Jesus nosso salvador e redentor!

(ass.) Maria Simma.

Resultado de imagem para SERVA DE DEUS MARIA SIMMA

Simples, quase simples demais

“Agora, pois, ergamo-nos, finalmente. A Escritura nos desperta dizendo: ‘Esta é a hora de levantarmos do sono’”.

Simples. Quase simples demais!

Mas foi a explicação de Michael Casey, um Monge Beneditino da Austrália, que abriu de verdade os meus olhos para o quanto a simples frase de São Bento nos importa.

Diz o Monge Michael Casey:

São Bento está dizendo com esta frase - "Agora, pois, ergamo-nos, finalmente. A Escritura nos desperta dizendo: ‘Esta é a hora de levantarmos do sono" - que, diante das possibilidades espirituais trazidas a nós pela Graça, somos lentos em nossas respostas. Por isso precisamos nos apressar, nos mexer, para permitir que a Graça de Deus nos impulsione ainda mais e, mais rápido, em direção ao que a Providência Divina preparou para nós.

"Nenhum chamado enfrenta tanta resistência quanto o chamado para acordar". Não precisamos ser surpreendidos se não queremos ser empurrados à ação, em especial quando não sabemos exatamente o que vai estar em jogo. Estamos sendo chamados a um estado não especificado de alerta. Estamos sendo convidados a ficar preparado para os desafios desconhecidos, para dizer sim a demandas que ainda não foram feitas. Tudo isto requer uma forte Fé na Providência e uma firme confiança em Deus, que nunca nos pede nada além dos nossos limites reais. E temos que ser realistas. Apesar dos pressentimentos, podemos ter uma razoável certeza de que o heroísmo exigido hoje não vai envolver nenhuma desgraça, ou tortura, ou martírio; vai simplesmente indicar pequenas ações que transcendem os limites habituais que impomos à própria benevolência: uma palavra de encorajamento aqui, alguns minutos de solícita escuta ali, um gesto de ajuda, um ato de perdão ou de solidariedade, uma iniciativa oculta que promove o bem comum. As ocasiões para esses pequenos atos de heroísmo surgem, mas apenas se, em primeiro lugar, estivermos acordados e atentos à sua possibilidade.

Fazer melhor requer vigilância. Quantas vezes, quando somos acusados de agir errado ou de omitir algo importante, respondemos com desculpas como “Eu não sabia”, ou “Eu não estava ciente”, ou “Eu não pensava que”? O desafio moral passou batido porque a consciência não estava acionada; estáva dormindo.

Ao criarmos um miasma de fogos de artifício sensoriais, efetivamente bloqueamos tudo para além do que é sensato: toda percepção espiritual, toda atenção à interioridade. A consciência fica amortecida pela sobrecarga sensorial e, pouco conscientes das possibilidades abertas para criarmos um mundo melhor.

A voz da consciência e as palavras do Evangelho são um som Suave e Delicado no meio do universo barulhento. A imaginação vivaz desperta emoções que nos impede de alcançar o nível de tranquilidade interior que nos permitiria atender aos avisos da consciência e aos sussurros do Espírito Santo. O resultado é que estamos tão despertos no nível sensorial que não há espaço para o despertar mais interior. A maioria de nós não consegue ouvir outra voz quando está ao mesmo tempo vendo televisão, enviando mensagens, olhando o celular e, internamente, se preocupando com algum pesar! Da mesma forma, não podemos ser espiritualmente conscientes sem abaixar o volume das outras vozes. Para estar despertos e atentos espiritualmente, temos de limitar a atenção que damos a outras áreas. E, de acordo com São Bento, temos que começar já: “Esta é a hora de levantar-nos do sono”!

A simples frase de São Bento e a explicação do Monge Michael Casey lembra-nos de algo esquecido e que é preciso fazer todos os dias. O risco é o de apreender e aceitar intelectualmente os conteúdos da Fé Católica ao mesmo tempo em que, por outro lado, ficamos sonolentos aos inúmeros chamados de Deus para a vida de todos os dias. É necessário acordar; conhecer a vontade de Deus para nós! Temos que reconhecer quando a nossa vontade está tentando subverter a de Deus. E temos que procurar, denodadamente, ser fiéis de modo heroico nos pequenos atos de cada dia.

Resultado de imagem para FLORES

Profissão de Fé - Santo Atanásio


PROFISSÃO DE FÉ 

Santo Atanásio de Alexandria (293-373) foi o primeiro e grande defensor da Igreja contra os arianos. Desde criança este Santo já demonstrou ter dons e talentos especiais, e mais tarde a sua educação foi aperfeiçoada pelos Arcebispos da Alexandria, Pedro e Alexandre.

Santo Antão, o Grande, cuja vida Santo Atanásio escreveu, exerceu uma grande influência sobre ele.

Após ter se aprofundado nos estudos das Escrituras Sagradas e obras dos Santos Padres e Doutores da Igreja, bem como a literatura clássica da antiguidade, Santo Atanásio assumiu um cargo muito importante naquela época: o de arcediácono junto do bispo Alexandre. Em particular, durante o século IV, houve grandes Padres e Doutores que defenderam a Igreja na época em que ela foi, por muito tempo, profundamente abalada pela heresia de Ário (este herege renegava a natureza divina de nosso Senhor Jesus Cristo).

Durante sua vida tão agitada e sacrificada, Santo Atanásio escreveu muitas obras em defesa da Ortodoxia e ensinamentos para os fiéis. As suas obras, traduzidas para o russo, foram editadas em quatro volumes. Até hoje os pensamentos, as refutações e apologias de Santo Atanásio têm um grande significado para todos nós, pois a sua linguagem é muito rica.
Atanásio foi o sucessor do bispo de Alexandria, embora tivesse apenas 31 anos, e dirigiu a Igreja de Alexandria por 46 anos, período de muito sofrimento e perseguição. Os arianos não lhe deram descanso, que, com o apoio do imperador, espalharam muitas calúnias contra Atanásio, que por cinco vezes teve de fugir de sua sede episcopal. Refugiava-se no deserto onde conheceu e conviveu com o grande Santo Antão. Durante cinco anos ficou lá escondido, saindo somente à noite para dirigir sua igreja e consolar seus fiéis. Atanásio foi firme e inquebrantável com seus numerosos escritos, manteve viva a fé no Verbo Encarnado. Faleceu reconhecido por toda a Igreja, com 77 anos. E como reconhecimento de seu trabalho, fidelidade e fundamentais obras escritas para a Santa Igreja foi declarado Doutor da Igreja.

O Credo de Santo Atanásio possui quarenta artigos. Apesar de a data ser incerta, este credo foi elaborado para combater o arianismo e reafirmar a doutrina cristã-católica da Santíssima Trindade. Foi incluído na liturgia, é autêntica profissão de fé e é totalmente reconhecido pela Igreja Católica.

Uma ORAÇÃO a ser pronunciada todos os dias em todos os momentos assim como nossos PAIS na FÉ o faziam, e assim como, na Carta Apostólica sob forma Motu Próprio com a qual o Papa Emérito Bento XVI nos exorta a fazermos.

Hoje devemos professar nossa FÉ com a mesma força e intensidade com que o mundo professa seus mais diversos ódios.

Credo de Santo Atanásio: QUICUMQUE.

1. Quem quiser salvar-se deve antes de tudo professar a fé católica.

2. Porque aquele que não a professar, integral e inviolavelmente, perecerá sem dúvida por toda a eternidade.

3. A fé católica consiste em adorar um só Deus em três Pessoas e três Pessoas em um só Deus.

4. Sem confundir as Pessoas nem separar a substância.

5. Porque uma é a Pessoa do Pai, outra a do Filho, outra a do Espírito Santo.

6. Mas uma só é a divindade do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, igual a glória, coeterna a majestade.

7. Tal como é o Pai, tal é o Filho, tal é o Espírito Santo.

8. O Pai é incriado, o Filho é incriado, o Espírito Santo é incriado.

9. O Pai é imenso, o Filho é imenso, o Espírito Santo é imenso.

10. O Pai é eterno, o Filho é eterno, o Espírito Santo é eterno.

11. E contudo não são três eternos, mas um só eterno.

12. Assim como não são três incriados, nem três imensos, mas um só incriado, um só imenso.

13. Da mesma maneira, o Pai é onipotente, o Filho é onipotente, o Espírito Santo é onipotente.

14. E contudo não são três onipotentes, mas um só onipotente.

15. Assim o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus.

16. E contudo não são três deuses, mas um só Deus.

17. Do mesmo modo, o Pai é Senhor, o Filho é Senhor, o Espírito Santo é Senhor.

18. E contudo não são três senhores, mas um só Senhor.

19. Porque, assim como a verdade cristã nos manda confessar que cada uma das Pessoas é Deus e Senhor, do mesmo modo a religião católica nos proíbe dizer que são três deuses ou senhores.

20. O Pai não foi feito por ninguém: nem criado nem gerado.

21. O Filho procede do Pai: não foi feito nem criado, mas gerado.

22. O Espírito Santo não foi feito, nem criado, nem gerado, mas procede do Pai e do Filho.

23. Não há, pois, senão um só Pai, e não três Pais; um só Filho, e não três Filhos; um só Espírito Santo, e não três Espíritos Santos.

24. E nesta Trindade não há nem mais antigo nem menos antigo; nem maior nem menor, mas as três Pessoas são coeternas e iguais entre si.

25. De sorte que, como se disse acima, em tudo se deve adorar a unidade na Trindade e a Trindade na unidade.

26. Quem, pois quiser salvar-se deve ter estes sentimentos a respeito da Trindade.

27. Mas para alcançar a salvação é necessário ainda crer firmemente na Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo.

28. A pureza da nossa fé consiste, pois, em crer ainda e confessar que Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, é Deus e homem.

29. É Deus, gerado da substância do Pai desde toda a eternidade; é homem porque nasceu no tempo da substância de sua Mãe.

30. Deus perfeito e homem perfeito, com alma racional e carne humana.

31. Igual ao Pai segundo a divindade; menor que o Pai segundo a humanidade.

32. E embora seja Deus e homem, contudo não são dois, mas um só Cristo.

33. É um, não porque a divindade se tenha convertido em humanidade, mas porque Deus assumiu a humanidade.

34. Um, finalmente, não por confusão de substância, mas por unidade de Pessoa.

35. Porque, assim como a alma racional e o corpo formam um só homem, assim também a divindade e a humanidade formam um só Cristo.

36. Ele sofreu a morte por nossa salvação, desceu aos infernos e ao terceiro dia ressuscitou dos mortos.

37. Subiu ao Céu, e está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir julgar os vivos e os mortos.

38. E quando vier, todos os homens ressuscitarão com seus corpos, para prestar contas de seus atos.

39. E os que tiverem praticado o bem irão para a vida eterna, e os maus para o fogo eterno.

40. Esta é a fé católica, e aquele que não a professar fiel e firmemente não se poderá salvar.

AD MAIOREM DEI GLORIAM

Resultado de imagem para QUINCUNQUE

terça-feira, 1 de maio de 2018

São José

SÃO JOSÉ

São José, pelo Amor Paternal que tivestes ao Menino Jesus e por seu Silêncio Obediente, tu que és o maior de todos os Santos de Deus, chamado pela Igreja em todos os tempos como o terror e o horror dos infernos, rogamos a ti vossa intercessão para os homens de toda a terra! 
Rogai a Deus, vosso Senhor e nosso, por nossas almas! 
Rogai a Deus por nossas vidas e nossos trabalhos. 
Rogai a Deus por nossa libertação e santificação. 

Amém.


Postagem em destaque

Padre Francesco Bemonte

Padre Francesco Bemonte - Presidente da Associação Internacional de Exorcistas. São Pio de Pietrelcina, como também o beato carmelita e...