quarta-feira, 30 de novembro de 2016

A virgindade perpétua de Maria

O nascimento de Jesus e a virgindade Perpétua de Maria

Santo Inácio de Antioquia (35?-107) - Patriarca de Antioquia, Padre Apostólico e Mártir.

"O príncipe deste mundo não teve conhecimento da virgindade de Maria e do seu parto, tal como da morte do Senhor: três mistérios extraordinários, que se efetuaram no silêncio de Deus”.

Santo Agostinho (354-430) - Sermão 215, 3

"Nosso Senhor entrou por sua livre vontade no seio de Virgem. Engravidou sua Mãe, todavia sem privá-la da sua virgindade. Tendo-se formado a si mesmo, saiu e manteve íntegras as entranhas da mãe. Desta maneira, revestiu aquela de quem se dignou nascer, com a honra de mãe e com a santidade de virgem. Que significa isso? Quem pode dizê-lo? Quem o pode calar? Coisa admirável. Mas não nos é permitido falar aquilo de que somos incapazes de esclarecer. Não obstante, sentimo-nos constrangidos a louvar, para que o nosso silêncio não seja sinal de ingratidão. Graças sejam dadas a Deus! Aquilo que não se pode exprimir dignamente, pode-se crer firmemente."

São Cirilo de Alexandria (378-444) - Patriarca de Alexandria

"Assim como a luz atravessa o vidro sem quebrá-lo, assim também a Luz Eterna poderia sim entrar e “atravessar” a sua Mãe, sem violá-lá".



VIVAT CHRISTUS REX








terça-feira, 29 de novembro de 2016

Santa Catarina de Sena - Livro - O Dialogo

Livro - O Diálogo - 28 - 3.1 VISÃO SOBRE O PAPA

Na terra, quem possui a chave do sangue é o Cristo-na-Terra. Certa vez eu te manifestei essa verdade numa visão, para indicar o grande respeito que os leigos devem ter pelos ministros, bons ou maus que eles sejam, e quanto Me desagrada que alguém os ofenda. Pus diante de ti a hierarquia da Igreja sob a figura de uma despensa contendo o sangue de Meu Filho. No sangue estava a virtude de todos os sacramentos e a vida dos fiéis.
À porta daquela despensa, vias o Cristo-na-terra, encarregado de distribuir o sangue e fazer-se ajudar por outros no serviço de toda a santa Igreja. Quem ele escolhia e ungia logo se tornava ministro. Dele procedia toda a ordem clerical; ele dava a cada um sua função no ministério do glorioso sangue. E como dispunha dos seus auxiliares, possuía a força de corrigi-los nos seus defeitos.
VIVAT CHRISTUS REX








Santa Catarina de Sena - Carta nº. 28

CESSEM AS GUERRAS CONTRA O PAPA (Carta nº. 28 a Bernabó Visconti).

4. Nada Façais Contra o Papa

Oh Filho de Deus, bondoso Verbo! Deixaste tal Sangue no corpo (místico) da Santa Igreja e desejais que ele seja distribuído pelo teu Representante (o Papa)!

Deus veio em socorro das necessidades do homem que dia a dia perde o domínio de si mesmo, ofendendo o Criado. Deus pôs na Igreja o remédio da Santa Confissão, que é eficaz no vigor do Sangue. E a oferece não apenas uma vez, mas sempre. Sem juízo é quem deixa (a confissão) para o futuro e age contra tal representante que retém as chaves do sangue de Cristo crucificado. Ainda que ele fosse um demônio encarnado, jamais devo levantar minha cabeça contra ele. SEMPRE DEVO HUMILHAR-ME E IMPLORAR MISERICÓRDIA. É A UNICA MANEIRA DE RECEBER OU PARTICIPAR DOS FRUTOS DA REDENÇÃO. PEÇO-VOS QUE NADA FAÇAIS CONTRA O VOSSO CHEFE .”

Não vos admireis se o DEMÔNIO, como já o fez, venha por uma COLORAÇÃO DE VIRTUDE no desejo de fazer justiça contra PASTORES MAUS E CULPADOS. Não acrediteis nele. Não FAÇAIS JUSTIÇA em assuntos QUE NÃO VOS DIZEM RESPEITO. NOSSO SALVADOR NÃO O QUER. Ele afirma que os Pastores são seus ungidos (Sl 105,15). Deus não quer que vós e qualquer outra pessoa façais justiça contra um se; Ele a fará. Assim como não convém que um servo assuma a autoridade do juiz para exercer a justiça contra um malfeitor. Seria uma ATITUDE MÁ porque não toca a ele fazer tal coisa.

E se perguntássemos: "E quando o juiz não faz justiça, não é um bem que eu faça" ? Respondo: "NÃO!SE A FIZERDES, SEREIS CASTIGADOS”. Quem mandar matar receberá a mesma sentença. A lei não perdoará sua "boa" intenção de matar o malfeitor. No caso de um juiz que é mau e não faz justiça, nem a lei nem a religião permitem que o substituais; deveis deixar ao Supremo Juiz que o condene. Deus não permitirá que as injustiças e demais faltas fiquem impunes no lugar e tempo oportunos. Sobretudo na hora da morte, depois desta tenebrosa vida, todo bem será premiado e toda a culpa castigada.

Digo-vos, pois, pai e irmão caríssimo no Cristo Jesus. Deus não quer que vós ou qualquer pessoas sejais justiceis dos seus ministros. Ele reservou tal função para si e para o seu Representante (Papa). Se este se omite, apesar de ser seu dever e estar falhando, humildemente devemos esperar a punição e a correção do Supremo Juiz, o Eterno Deus.Até se por tal omissão perdêssemos todos os nossos bens, pois devemos preferir as realidades espirituais e a vida da graça a eles e à vida corporal. os bens materiais são finitos, enquanto a Graça Divina é infinita e nos propicia um prêmio eterno. Se perdermos a graça, porém, terminamos mal.

Refleti! Embora ajais com boa intenção, nem Deus e nem a Lei divina vos escusarão. CAIREIS MESMO NA CONDENAÇÃO ETERNA. Que jamais incidais num tal inconveniente. Afirmo-vos e suplico-vos, da parte de Cristo crucificado: nunca mais vos embaraceis dessas coisas. Possuí em paz vossas cidades, usando de justiça com os vossos súditos quando falharem, mas não quanto aos ministros do vosso precioso sangue. Outras mãos não vos ministrarão o Sangue, sem o qual não tereis os benefícios divinos. Vireis a ser então um membro pútrido, separado do corpo (místico) da Igreja. Oh, nunca mais, meu Pai! COM HUMILDADE QUERO QUE COMIGO RECLINEIS A CABEÇA NO PEITO DO CRISTO DO CÉU PELO AMOR, E NO PEITO DO CRISTO DA TERRA, SEU REPRESENTANTE, COM RESPEITO PELO SANGUE DE CRISTO, CUJA CHAVES ELE POSSUI. PARA QUEM O PAPA ABRIR A PORTA, ESTARÁ ABERTA; PARA QUEM ELE FECHAR, FECHADA FICARÁ. A ELE PERTENCE O PODER E A AUTORIDADE. DELES NINGUÉM O DESPOJARÁ, POIS OS RECEBEU DO PRÓPRIO JESUS (MT 16,19).

Refleti que, entre outras coisas merecedoras de castigo e desagradáveis a Deus, está a punição dada aos Ungidos de Deus, por piores que eles sejam. Pelo fato que Cristo pareça nada ver neste mundo, não pensei que menor será a punição deles na outra vida. Quando suas almas deixarem o corpo, Deus lhes mostrará que via tudo. QUERO QUE SEJAIS UM MEMBRO VIVO DA SANTA IGREJA, E NÃO UM MEMBRO APODRECIDO. Recebereis grande força e liberdade, que nenhum demônio e criatura poderão destruir. Estareis livres da escravidão do pecado mortal, livre da rebeldia à Santa Igreja, robustecido pela Graça divina presente em vós. UNIDO AO VOSSO PAI (O PAPA). PEÇO-VOS: ESTABELECEI TAL UNIÃO EM PLENITUDE SEM PERDA DE TEMPO.

Quanto as palavras que a mesma dirigia ao Papa, procurando corrigir-lhe ou dizer aquilo que nosso Senhor lhe pedia, eram palavras que transpareciam um profundo respeito e sentimento de insignificância perante aquele a quem ela corrigia. Nunca ousou dirigir-lhe com aspereza alguma coisa, e quando a ocasião lhe necessitava dizer alguma palavra aconselhando-o, a todo momento lhe pedia perdão, pois se achava indigna de tal coisa.
Entre correções e conselhos é nos conhecido que Santa Catarina teve grande influência na volta da sede da Igreja para Roma. Mesmo em situação tão extrema a Grande Doutora da Igreja não lhe erguia a voz, mas pelo contrário pedia perdão pela sua "presunção".
VIVAT CHRISTUS REX








Sem o Socorro da Graça nada podeis fazer

Paz e Bem.

Sem o socorro da graça, nada de bom podemos fazer: "Sem mim nada podeis fazer" (Jo 15, 5). Santo Agostinho nos ensina sobre estas palavras, que Jesus Cristo não disse "nada podeis cumprir", mas, "nada podeis fazer". Com isso, quis Nosso Senhor dar-nos a entender que sem a graça, nem mesmo podemos começar a fazer o bem. E o apóstolo chega a dizer que, por nós, nem sequer podemos ter o desejo de fazer o bem: "Não somos capazes por nós mesmos, ter algum pensamento, mas toda nossa força vem de Deus" (2Cor 3, 5). Se nem sequer podemos pensar no bem, como podemos, então, desejá-lo? O mesmo nos demonstra muitos outros textos das Sagradas Escrituras: "Deus é quem opera tudo em todos" (1Cor 12, ). "Farei que vós andeis nos meus preceitos e que guardeis as minhas ordens e as pratiqueis" (Ez 36, 27). Por isso, como diz "São Leão - Papa": Nenhum bem faz o homem sem que Deus lhe dê a sua graça para isso -, e o "Concilio de Trento diz": Se alguém disser que, sem a prévia inspiração do Espírito Santo e sem o Seu socorro, o homem pode crer, esperar, amar, ou fazer penitência como deve, com o fim de obter a graça da justificação, seja anátema.
VIVAT CHRISTUS REX








sábado, 26 de novembro de 2016

A guarda da Pureza e a Segurança da Fé - "A Obediência"

A humildade não é apenas guarda da pureza, mas é também segurança do precioso dom da Fé. Quem não sabe submeter-se e deixar-se guiar, muitas vezes errara e cairá miseravelmente; e, por causa da teimosia em não se reconhecer e, render-se a obediência, o demônio não permitirá que se arrependa e, de abismo em abismo, o levará à perdição.
Sede humildes de coração, submetei sempre toda vossa vida em favor dos irmãos, pedi conselho em tudo, não confieis nunca em vós mesmos, mas em todas as vossas dúvidas, recorrei aos seus irmãos e seus Pais Fundadores, os quais são iluminados por Deus para vos aconselhar e vos orientar. Humilhar-se é um grande remédio que demonstra a nobreza de caráter de um Cristão amante da Cruz e do Crucificado! Ao acompanhar Cristo e com Ele estar cravado na Cruz, receberas a Coroa da Vitória!

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Santa Catarina de Alexandria

Santa Catarina de Alexandria (287-305).


"Está escrito, que não se deve falar de si, nem por meio de elogios, nem por depreciação; as pessoas tolas assim o fazem pelo prazer da glória oca, da glória vã. Mas atesto sobre minha origem, não com presunção, mas com amor e humildade. Sou Catarina, filha única do Rei Costus, embora nascida dentro da realeza e bem instruída nas disciplinas liberais, dei as costas a tudo isso e refugiei-me no Senhor Jesus Cristo. Os deuses que você adora, não podem ajudar nem a si próprios, nem a mais ninguém. Ó devotos infelizes de ídolos que, quando chamados na hora da necessidade, não estão presentes; que não oferecem nenhum socorro na tribulação, nenhuma defesa no perigo!"

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Conhecer-se

Conhecer-se

É normal, às vezes até entre almas boas, criarem-se conflitos íntimos, que chegam a produzir sérias preocupações, mas que carecem de qualquer base objetiva. Sua origem está na falta de conhecimento próprio, que conduz à soberba: ao desejo de se tornarem o centro da atenção e estima de todos, à preocupação de não ficarem mal, de não se resignarem a fazer o bem e desaparecer, à ânsia de segurança pessoal. E assim, muitas almas que poderiam gozar de uma paz extraordinária, que poderiam saborear um imenso júbilo, transformam-se, por orgulho e presunção, em infelizes e infecundas!
VIVAT CHRISTUS REX

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

São Cipriano - Bispo de Cartago

São Cipriano (200-258) - Bispo de Cartago e Mártir - "Os benefícios da paciência".

"Pela vossa perseverança salvareis as vossas almas".

O nosso Senhor e Mestre deu-nos este mandamento para nossa salvação: "Aquele que resistir até ao fim será salvo" (Mt 10, 22). O próprio fato de sermos cristãos é o fundamento da nossa fé e da nossa esperança. Mas, para que a esperança e a fé possam dar frutos, é necessária a paciência. Não é a glória daqui de baixo que procuramos, é a glória futura.
O apóstolo Paulo adverte-nos: "Nós fomos salvos, mas em esperança. Ver o que se espera já não é esperar; se se vê, como se pode ainda esperar? Mas nós, que esperamos o que não vemos, esperamo-lo com perseverança" (Rm 8,24-25). Noutra passagem, Paulo dá o mesmo ensinamento aos justos que trabalham para fazer frutificar os dons de Deus, a fim de prepararem para si mesmos maiores tesouros no céu: "Enquanto temos tempo, trabalhemos para o bem de todos. Não nos cansemos de fazer o bem; a seu tempo virá a colheita, se não desistirmos" (Gl 6,10.9). E, quando fala de caridade, Paulo junta-lhe a perseverança e a paciência: "O amor é paciente, o amor é prestativo, o amor não é ciumento; não se vangloria, não se irrita, não alimenta rancor, tudo suporta, tudo confia, tudo espera, tudo sofre" (1Cor 13, 4-7). Mostra assim que o amor é capaz de perseverar até ao fim, pois sabe suportar tudo.
Por fim, diz noutra passagem: "Suportai-vos uns aos outros com amor; esforçai-vos por guardar a caridade, no mesmo Espírito, pelo vínculo da paz" (Ef 4,2-3). Desta forma, mostra que os irmãos não podem conservar a unidade nem a paz se não se encorajarem mutuamente, suportando-se, e se não conservarem o vínculo da concórdia por meio da paciência.
VIVAT CHRISTUS REX








terça-feira, 22 de novembro de 2016

Santo Isaac, o Sírio

Santo Isaac o Sírio, monge em Nínive, no século VII:

Chorar com Cristo.

Não desprezes o pecador, porque todos somos culpados.
Se por amor de Deus tu te levantas contra ele, chora antes sobre ele. Por que o desprezas?
Despreza os seus pecados, e reza por ele, para seres semelhante a Cristo, que não Se irritou contra os pecadores, mas rezou por todos. Não vês como Ele chorou sobre Jerusalém?
Porque nós também, mais do que uma vez, somos joguete do Diabo. Por que desprezar aquele que, tal como nós, foi joguete do Diabo, que troça de todos nós? Por que, ó homem, desprezar o pecador?
É porque ele não é justo como tu? Mas onde está a tua justiça, desde que não tens o amor? Por que não choraste sobre ele? Pelo contrário, tu o persegues! É por ignorância que alguns se irritam, e eles que acreditam ter o discernimento das obras dos pecadores.
Bem-aventurado o homem que experimentou a própria miséria, porque aprende a ter misericórdia!
VIVAT CHRISTUS REX








domingo, 20 de novembro de 2016

O teste da Cruz

O TESTE DA CRUZ

A pedra de toque.

O sofrimento é o melhor teste da qualidade espiritual de uma pessoa. O modo de sofrer, “se for corajoso, sereno, discreto”, revela o nível de maturidade do amor a Deus e do amor ao próximo.
A pessoa egoísta, quando sofre, volta-se para si mesma; sente-se vítima, cai na autocompaixão, reclama e absorve – de modo desagradável e exigente – as atenções dos demais; pode tornar a vida insuportável aos que estão junto dela. Tem muita razão o autor da Imitação de Cristo, quando diz: “Logo nós sentimos e calculamos os sofrimentos que os outros nos causam, mas não nos damos conta dos sofrimentos que nós lhes causamos” (cf., Livro II, cap. 5).
Pelo contrário, quando a pessoa que sofre tem uma alma grande, cresce no amor e amadurece nas virtudes. Com seu exemplo edifica os outros e os ajuda-os a enfrentar, com fé e com paz, as contrariedades.
Entende-se, deste modo, a frase de São JosemarÍa: “Não esqueças que a Dor é a pedra de toque do Amor” (Caminho, n. 439). Assim como a “pedra de toque” serve para avaliar a pureza do ouro, a dor abraçada com fé revela a pureza do amor.

Uma longa história de amor e dor.

A história do Cristianismo oferece uma corrente ininterrupta de milhares de almas “homens, mulheres, crianças”, que, sustentadas pela fé e o amor cristão, souberam abraçar a Cruz, a renúncia, o sacrifício, os tormentos e a morte, com a alma cheia de paz, felizes por da r a vida, unidos à Cruz de Cristo, pela salvação do mundo. São impressionantes os relatos de incontáveis mártires “antigos e atuais” que, com o exemplo, humanamente inexplicável, da sua paz de alma no meio das torturas, converteram muitos dos que os contemplavam e até alguns de seus próprios carrascos.
Fazendo isso, os mártires seguiam os passos de Jesus. Cumpriam ao pé da letra o que escrevia São Pedro: “Cristo sofreu por vós, deixando-vos o exemplo, para que sigais os seus passos… Ele que suportou os nossos pecados no seu corpo, sobre o madeiro da Cruz… (1 Pd2, 21)”. E o que São Paulo confidenciava: “Alegro-me nos sofrimentos suportados por vossa causa e completo na minha carne o que falta aos sofrimentos de Cristo pelo seu corpo, que é a Igreja (Cl 1,24)”.
São João Paulo II afirmava que, “no final do segundo milênio, a Igreja tornou-se novamente ‘Igreja dos mártires’. As perseguições contra os crentes e sacerdotes, religiosos e leigos realizaram uma grande sementeira de mártires em várias partes do mundo. É um testemunho que não se pode esquecer” (Carta Ap. Tertio Millennio adveniente, n. 37).
O martírio é um “selo de garantia” da autenticidade do amor cristão. Mas não esqueçamos que há outro “selo” desse amor, por vezes mais difícil: a generosidade com que são aceitas e oferecidas a Deus as contrariedades de cada dia: com saúde ou com doença, com cansaço e sem cansaço, em casa, no serviço, na vida social… “Quantos se deixariam cravar numa cruz perante o olhar atônito de milhares de espectadores, e não sabem sofrer cristãmente as alfinetadas de cada dia! Pensa então no que será mais heroico” (Caminho, n. 204).
Pense, sim. Por exemplo: O que pode aproximar mais de Deus seus filhos ainda crianças ou adolescentes? Os sermões do pai e da mãe, azedados pela falta de paciência, eriçados de queixas e reprimendas? Ou o exemplo de um pai e de uma mãe que sofrem e sorriem sem perder a calma, que rezam e esperam no meio de padecimentos por vezes muito pesados, e não descarregam as suas dores nos demais?
Essas dificuldades cotidianas são a cruz de cada dia (Lc 9,23), e devem ser um “sacrifício escondido e silencioso”, que faz com que um filho de Deus seja “mártir sem morrer” (Caminho, nn. 185 e 622); e o seja sem ter complexo de mártir, sem fazer “cara de vítima”, sem desfigurar o rosto para inspirar compaixão (Mt 6,16). O amor cristão à Cruz “por amor a Jesus Cristo” torna possível padecer sem se vergar sob o fardo da dor; passar mal e continuar assim mesmo a trabalhar e a fazer o bem a todos; e a dar, enfim, com naturalidade até a última gota. Isto é santidade. Esta é uma das melhores maneiras se não a melhor de “tornar a vida amável” aos que nos cercam.

De onde vos vêm as forças?

São Pedro dá testemunho de que os pagãos, surpreendidos por essa alegria na dor dos cristãos perseguidos, ficavam pasmados, sem entender nada; e, por isso, o apóstolo recomendava aos fiéis: Caríssimos,… alegrai-vos por participar dos sofrimentos de Cristo… E estai sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a todo aquele que a pedir (1Pd4,13 e 3,15).
Também hoje, comenta São Josemaría, muitos se sentem movidos a perguntar aos cristãos coerentes, quando veem que permanecem serenos no meio de muitas dificuldades: “Como se explica a vossa alegria? De onde vos vêm ás forças para vencer o egoísmo e o comodismo?” (É Cristo que passa, n. 148).
A resposta está nestas breves palavras da carta que o Papa Francisco enviou ao Prelado do Opus Dei, com motivo da Beatificação do seu predecessor, o Bispo Álvaro del Portillo: “Este é o caminho da santidade que todo cristão deve percorrer: deixar-se amar pelo Senhor, abrir o coração ao seu amor e permitir que seja Ele quem guie a nossa vida”.
Quer dizer que tudo é uma questão de amor. Só o amor gera amor. Só o amor vivificado pela graça de Deus pode abraçar a dor e transformá-la em amor a Deus e ao próximo. Esse é um prodígio especificamente cristão!
VIVAT CHRISTUS REX







sábado, 19 de novembro de 2016

São José Marello

São José Marello (1844-1895) - Fundador do Oblatos de São José.

É preciso obedecer sempre, custe o que custar, ainda que nos custe o sacrifício das afeições mais suaves e delicadas. Assim era o amor que Jesus consagrava a Maria e a José, cujos corações Ele sabia que estavam despedaçados pela dor da Sua perda.
Vejam, a quem foi dito: "Eu serei a tua recompensa infinitamente grande"? A Abraão obediente e fiel. Esta é a recompensa! Ele que se dá ao que obedientemente se rende a Ele!
VIVAT CHRISTUS REX







quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Eternidade

Neste dias em que os homens, em sua maioria, perderam os parâmetros de valores perenes e se lançam ao fio de valores efêmeros, não podemos duvidar de que estes homens negam conscientemente a “ETERNIDADE”. Bem sabemos e nossa Santa Mãe a Igreja nos ensina que o “ETERNO” é “DEUS”!
Ao perguntar a um homem, que se faz indiferente diante de tantas situações complicadas nos dias de hoje, como ele consegue viver em PAZ sabendo que ao seu redor há seres humanos carentes de Pão e Água, de Respeito e Atenção, ele me respondeu – (e eu não me surpreendi com a sua resposta) –, o seguinte:

“É FÁCIL, EU ME ESQUEÇO DA ETERNIDADE, E TODAS AS VEZES QUE “ELA, A ETERNIDADE” ME PROCURA, EU A NEGO”.

O que podemos concluir com esta situação:

“A RELIGIÃO, – (E AQUI FALO DA ÚNICA EMBASADA, ENRAIZADA EM CRISTO, A RELIGIÃO QUE ININTERRUPTAMENTE É ALIMENTADA PELO SACRATÍSSIMO CORPO E PRECIOSÍSSIMO SANGUE DE CRISTO) –, NOS DA A JUSTA MEDIDA ENTRE O MORAL E O IMORAL. UM HOME SEM RELIGIÃO, TORNA-SE DIRETA OU INDIRETAMENTE IMORAL; TRANSFORMA-SE EM UM HOMEM QUE USA A PALAVRA DE DEUS EM ALGUNS CASOS, E EM OUTROS CASOS USA A PRÓPRIA PALAVRA, COMO FERRAMENTA DE TROCA. TORNA-SE UM HOMEM QUE PERDEU O SENSO DO “PERENE – ETERNO” E RENDE-SE AO “EFÊMERO – PASSAGEIRO”.

Aliviar a consciência se esquecendo de “DEUS” é como lavar-se diariamente com a podridão e alimentar-se com a sujeira! Os amigos destes serão as moscas, os vermes e por fim as aves de rapina!
Aliviar a consciência rendendo-se a "DEUS" é como lavar-se diariamente em "SEU SACRATÍSSIMO SANGUE" e alimentar-se diariamente com "SEU SACRATÍSSIMO CORPO"! Os amigos destes serão os Santos, os Anjos e a Virgem Maria!

VIVAT CHRISTUS REX







segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Sentimento e Decisão

O Amor não é um sentimento. É uma decisão, um ato concreto da vontade e um profundo comprometimento existencial. Os sentimentos variam, são flexíveis e inconstantes, mas o Amor permanece. Quem não compreende isso jamais chegara a maturidade. Vejamos: "Jesus Cristo, o Cordeiro sem pecado, puro e três vezes Santo foi moído, dilacerado ainda vivo e crucificado, e Seu Amor permaneceu íntegro, intacto e incondicional, principalmente por aqueles que mais o feriram com o descaso, com o esquecimento, com as injurias, por aqueles que deram as ordens para seu flagelo físico e moral, e por todos que se alegraram com tamanha dor e horror! Sim Ele amou mais a estes quando elevou os olhos ao pai e exclamou - "PAI PERDOA-LHES POIS ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM". O Amor não é a ausência de dor e sofrimento, mas a firme postura e decisão de ser agora e sempre outro CRISTO!
VIVAT CHRISTUS REX








domingo, 13 de novembro de 2016

São José Luis Sánches Del Rio

O Martírio de São José Luis Sánches Del Rio.

"Jovem não tenha medo de se entregar a Deus! Renda-se a Deus e sinta o Odor Suave que refrigera a alma e alivia os pensamentos. Ao entregar-se a Deus, Ele tudo fara e lhe sustentará em seu caminhar, mesmo que esteja ferido, Ele será seu alento! Esvazia-se e será preenchido, Aniquile-se e sera Elevado, Fortalecido e Encorajado pelo sumo Bem, amparado pelo Senhor da Eterna Paz".

São José Marello

São José Marello (1844-1895).

"Quando houvermos compreendido bem que os hábitos virtuosos não são o meio mas o fim, então não deverá ser motivo de apreensão nem mesmo a lentidão em adquirir a virtude. Está mais unido a Deus quem se acha em luta constante com as suas inclinações desordenadas, gemendo em seu coração e implorando humildemente a vitória sobre elas, do que aquele que já se considera dono de muitas virtudes, e talvez se esqueça de oferecer ao Senhor um tributo de gratidão proporcional ao seu estado de vida".
VIVAT CHRISTUS REX








sábado, 12 de novembro de 2016

São Rafael Arnaiz Barón

São Rafael Arnaiz Barón (1911-1938) - Monge Trapista.

Dai em esmola tudo o que possuís e para vós tudo ficará limpo.

Deus encontra-Se no coração desapegado, no silêncio da oração, no sofrimento como sacrifício voluntário, no esvaziamento do mundo e das suas criaturas. Deus está na cruz, e enquanto não amarmos a cruz não O veremos, não O sentiremos. Calai-vos, homens, que não parais de fazer barulho!

Ah, Senhor, que feliz me sinto no meu retiro, como Te amo na minha solidão, quereria oferecer-Te aquilo que já não tenho, pois já Te dei tudo! Pede-me Senhor. Mas que posso eu dar-Te? O meu corpo, já o possuis, é teu; a minha alma, Senhor, por quem suspira ela, se não por Ti, para que Tu no fim venhas tomar posse dela? O meu coração está aos pés de Maria, chorando de amor e sem mais nada querer a não ser a Ti. A minha vontade: por acaso desejo eu, Senhor, alguma coisa que Tu não desejes? Diz-me; diz-me, Senhor, qual é a tua vontade e colocarei a minha em uníssono com a tua. Amo tudo o que Tu me envias e me dás, quer seja a saúde, quer seja a doença, quer seja estar aqui ou ali, ou ser uma coisa ou outra; toma a minha vida, Senhor, quando quiseres. Como é possível não ser feliz assim?

Se o mundo e os homens soubessem! Mas não o saberão: estão demasiado ocupados com os seus interesses, têm o coração demasiado cheio de coisas que não são Deus. O mundo vive muito com uma finalidade terrena; os homens sonham com esta vida em que tudo é vaidade, e assim não conseguem encontrar a verdadeira felicidade, que é o amor de Deus. Talvez consigam chegar a compreender essa felicidade, mas para a sentirem, são muito poucos os que renunciam a si próprios e tomam a cruz de Jesus (Mt 16,24), mesmo entre os religiosos. Senhor, as coisas que Tu permites! A tua sabedoria sabe o que faz. Mas segura-me na tua mão e não permitas que os meus pés escorreguem, pois sem Ti quem virá em meu socorro? E se o Senhor não edificar a casa (Sl 127,1)… Ah Senhor, como Te amo! Até quando, Senhor?
VIVAT CHRISTUS REX








sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Reflexão sobre a Oração

Sobre a Oração.

A “verdadeira” oração tem suas condições!
Ela deve ser oferecida com um espírito e um coração puros, com um zelo ardente, uma atenção estrita, com temor e respeito, e com a mais profunda humildade. Mas quem, em “consciência”, não admitirá que está longe de preencher estas condições, e que oferece suas orações mais por necessidade, mais por obrigação para consigo mesmo, do que por inclinação, deleite e amor à oração? A este respeito, a Sagrada Escritura diz que não está no poder do homem manter seu espírito inquebrantável e purificar-se dos maus pensamentos, pois “os pensamentos do homem são maus desde a juventude”, e porque só Deus pode nos dar outro coração e um espírito novo, pois “o poder de fazê-lo está apenas em Deus”. O apóstolo Paulo diz: “Meu espírito (ou seja, minha voz) está em oração, mas minha inteligência permanece estéril”. “Nós não sabemos o que pedir em nossas orações”, afirma ainda.
Resulta daí que somos incapazes, por nós mesmos, de oferecer a verdadeira prece: “em nossas orações, não conseguimos manifestar as propriedades essenciais da verdadeira prece”.
Comecemos em nossas práticas de Oração diária pedindo que Deus nos liberte de nós mesmos, para que esvaziados dos sentidos corpóreos, nos preenchamos dos sentidos Espirituais, e assim possamos como o Apóstolo Paulo dizer um dia: “Já não sou eu quem vivo, mas Cristo vive em mim”. Como um grande martírio, assim deve ser o aniquilamento dos sentidos que nos prendem aos prazeres enfadados de orgulho e ressentimentos, inchados de sensualidade e mentiras! Sim, como um martírio! Tal como muitos de nossos irmãos tem partes de seus corpos decepadas por estarem e permanecerem na Verdade (Cristo); assim também decepemos em nós estes pérfidos sentidos; tal como nossos Santos Mártires desde os primórdios são queimados vivos, assim também queimemos em nós as aberrações dos prazeres devassos, dos prazeres distantes e escurecidos pela perdição!
VIVAT CHRISTUS REX








quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Simonia

SIMONIA

Reflexão a respeito deste tema:

A respeito deste assunto, simonia deriva de Simão, aquele sedutor que assombrava o povo com suas crendices, magias e misticismos e que prometeu dinheiro a São Pedro e São João, pretendendo comprar os Dons do Espírito Santo (cf. At 8, 9-24). Ora, o mago, o bruxo Simão agiu por ignorância, porém, escutou de São Pedro – “O TEU DINHEIRO PEREÇA CONTIGO”. Se o ignorante é tratado com inflexibilidade, o que será dos maliciosos, aproveitadores e daqueles que se julgam espertos?
VIVAT CHRISTUS REX








Reflexão sobre o ser Líder e a Liderança

Reflexão acerca do ser Líder e do exercer a Liderança.

São Paulo ordena aos Cristãos – “TODA ALMA ESTEJA SUJEITA AOS PODERES SUPERIORES, POR QUE NÃO HÁ PODER QUE NÃO VENHA DE DEUS E OS QUE EXISTEM FORAM INSTITUIDOS POR DEUS” (cf. Rom 13, 1-2). Por falta de profundo e intenso CATECISMO, a sociedade habituou-se a funcionar apenas sob pressão e pressionar a autoridade constituída gera vulgaridade e da IBOPE; matéria prima da desonestidades dos lideres destes dias, geradora de falsas lideranças.

Vejamos:

O Líder não bajula a opinião do ser humano, do homem; o Líder não sai atrás, Ele segue em frente. O Líder não angaria votos com falácias; Ele faz votos que o homem o siga. “O Líder não desceu para se misturar”; “misturou-se para nos elevar”. Veio para restaurar em nós, o seu retrato primeiro – “FAÇAMOS O HOMEM À NOSSA IMAGEM E SEMELHANÇA” (cf. Gen 1, 26).
VIVAT CHRISTUS REX








terça-feira, 8 de novembro de 2016

Charles Eugène de Foucauld

Charles Eugène de Foucauld (1858 - 1916).

"Não há condição tão desprezada, tão desprezível de onde não retireis almas, não somente para salvá-las, mas para fazer delas favoritas, para elevá-las a uma grande santidade. Vós tirais da poeira do caminho dracmas perdidas e pisoteadas e devolveis a elas sua beleza original".
VIVAT CHRISTUS REX








segunda-feira, 7 de novembro de 2016

São Francisco de Assis

A Santa Pobreza (SENHORA MAIS NOBRE A ESTAR JUNTO DE FRANCISCO E SEUS FILHOS), após um sono plácido e não sobrecarregado por comida, nem bebida,  levantou-se arduamente, solicitando que mostrassem a Ela o mosteiro onde Francisco e seus filhos viviam. Os Frades a levaram prontamente até o alto de uma colina e mostraram ao redor toda a terra até onde chegava o olhar, dizendo: "Este, Senhora, é o nosso mosteiro". (Fontes Franciscanas 2022).

domingo, 6 de novembro de 2016

Eis o Homem

Eis o Homem!

Rei e Senhor!
Despojado de tudo esquecido por todos. Massacrado e Esmagado por nossas misérias.
Eis o Homem! 
Eis o Amor!
Eis o Perdão!
Eis a Alegria e Jubilo de nossas pequeninas Almas!
Eis o homem que te chama, eis o homem que te Ama!
Renda-se a este Amor!
Eis o homem!

VIVAT CHRISTUS REX




salvecristorei.blogspot.com.br





sábado, 5 de novembro de 2016

Tertuliano de Cartago - Apologista

Tertuliano de Cartago - Nome completo: Quintus Septimius Florens Tertullianus (160-220).

Certamente esta é a obra mais importante de Tertuliano, escrita no ano 197 e dirigida aos governantes do Império Romano. Tertuliano nasceu em Cartago no ano 155 dC e aí exercia sua profissão de advogado quando, em 193, converteu-se ao Cristianismo, passando a exercer também a atividade de catequista junto à Igreja.

Sua inteligência e sólida formação jurídica foram claramente demonstradas nesta obra, em que defende os cristãos, apelando por seu direito de liberdade religiosa, perante o Império Romano cruel e perseguidor. Seus argumentos são expostos de forma lógica e polêmica, visando o convencimento das autoridades a quem é dirigida, questionando a "justiça" aplicada contra os cristãos, transportando a apologética do terreno filosófico para o jurídico.

"Com admirável habilidade, Tertuliano censura os processos jurídicos, em voga, do Poder do Estado 'gentio' contra os cristãos: é suficiente o crime do 'nomem christianum' (nome cristão), para acarretar a condenação. A todos os criminosos concede-se o direito de defesa; aos cristãos, não. Àqueles, a tortura tenta arrancar uma confissão; aos cristãos, uma apostasia. As suspeitas iníquas espalhadas contra os cristãos, Tertuliano as repele como mentiras, expondo, em contraposição, o essencial concernente à fé cristã e à vida das comunidades. Concluindo, declara ser o Cristianismo uma filosofia; mas os filósofos gentios não são obrigados, como os cristãos, a sacrificar e podem até negar os deuses impunemente. Todavia, as crueldades gentílicas não prejudicarão os cristãos; ao contrário, 'o sangue dos cristãos é como semente que brota'"
(B.Altaner/A.Stuiber).

"Raramente um discurso de defesa cristão conhecera semelhante precisão de argumentos jurídicos, semelhante rudeza de ironia, semelhantes aspereza de lógica, onde os argumentos são desferidos como golpes certeiros, as fórmulas marteladas, os dilemas inelutáveis, sem concessões à posição dos poderes públicos ou dos filósofos. Para ele [Tertuliano] não basta convencer o adversário: arrasa-o, pisa-o, humilha-o"
(A.Hamman).

_______________________________________

Capitulo XX.

Para concluir nossa digressão, transmitimo-vos isto de maior importância. Apontamo-vos o poder de nossas Escrituras, se não por sua antiguidade, no caso de duvidardes que sejam tão antigas como dizemos, pela prova que damos de que são divinas. Assim, podereis vos convencer disso de uma vez por todas, sem que nos estendamos mais.

Vossos mestres, o mundo, a antiguidade e os acontecimentos estão todos à vossa vista. Tudo aquilo que vos cerca, estou na vossa dianteira anunciando. Tudo o que vos cerca e agora vedes foi previamente anunciado. Tudo o que agora vedes já foi anteriormente predito aos ouvintes humanos. A destruição de cidades da terra, a submersão de ilhas pelos mares, guerras que trouxeram convulsões internas e externas, o embate de reinos contra reinos, as epidemias de fome e de pestes, os massacres em certos lugares, as desolações disseminadas das mortalidades, a exaltação dos pobres e humildes sobre os orgulhosos, a decadência da honestidade, a disseminação do pecado, os instrumentos da ambição deslavrada dos bens, as próprias estações e atividades elementares naturais escapando a seus normais cursos, monstros e prodígios tomando o lugar de formas naturais - isso tudo foi previsto e predito antes que acontecesse. Enquanto sofremos as calamidades, estamos lendo sobre elas nas Escrituras. Se verificarmos, elas estão sendo confirmadas.

Sim, a verdade de uma profecia, julgo, é a demonstração de seu acontecimento posterior. Daí termos entre nós uma fé confirmada a respeito do eventos que vêm como coisas já confirmadas, porque foram preditas e igualmente cumpridas em nosso dia a dia. Elas foram proferidas pelas mesmas vozes, escritas nos mesmos livros - o mesmo Espírito as inspirou.

Constantemente há alguém predizendo os acontecimentos futuros. O tempo é um só para a profecia que prediz o futuro. Entre os homens, talvez, há uma distinção dos tempos, já que o seu cumprimento vem depois. Sendo eventos do futuro, nós os consideramos como presentes e, então, quando se fazem presentes, nós os consideramos como pertencendo ao passado. Como podemos ser censurados, dizei-nos, porque acreditamos nas coisas que virão como se já tivessem acontecido, com essas provas para nossa fé nesses dois instantes.
VIVAT CHRISTUS REX








quinta-feira, 3 de novembro de 2016

II Timóteo 3.

"Aqui na terra não há nada que possa nos dar paz interior, nos preencher! Porque nem riquezas, nem glória, nem honra, nem posição, nem família, nem vizinhos podem nos dar a Inabalável Paz interior. Existe apenas um doador de Vida, Paz e Alegria - Deus. Em Deus encontramos o que buscamos! Em Deus  nossos ensejos são saciados, nossos fardos aliviados,  nossas feridas curadas, nossas dores saradas e principalmente, nos tornamos seus anunciadores! Com a vida testemunhamos o que as palavras jamais poderiam anunciar!"
Maria, mãe do Eterno Amor, nos ensine a Amar!
Não podemos amar mais as dádivas do que o Doador das dádivas, pois corremos o risco iminente de deixar de amar o Doador das dádivas caso elas cessem!
1° Mandamento - Amaras ao Senhor teu Deus acima de todas as coisa.

Santa Kiriaki

Santa Kiriaki (?-289).

Santa Kiriaki (Kiriaki - Dominga), era filha de Doroteo e Eusébia. O casal não tinha filhos, e pedia insistentemente a Deus que lhes concedesse um. Deus ouviu seus rogos e Eusébia concebeu uma filha. A menina nasceu num domingo, e por isso lhe deram o nome de Kiriaki (Dominga, em português). Durante a perseguição de Diocleciano, seus pais foram presos e, em seguida, submetidos a interrogatório, torturados e decapitados por Loisto. Kiriaki foi levada ao César Maximiano e, dali, para o soberano de Bizínias, Ilariano, que lhe disse que a sua beleza era para prazeres e não para torturas. Kiriaki respondeu então prontamente:

"Nem à minha juventude, nem à minha beleza eu dou a menor importância; as mais brilhantes coisas deste mundo são passageiras como as flores, e vazias como as sombras. Hoje eu sou bela, amanhã serei uma velha cheia de rugas e feia. Porque faria eu então, de minha beleza o centro da minha vida? Que valor terá na sepultura que a espera? Pensaste, pois, que eu poderia ser tão inconsciente de perder meu eterno esplendor para permanecer um pouco mais aqui na terra? Portanto, eu te repito: sou e serei, na vida e na morte, uma cristã".


Furioso Ilariano a torturou duramente e ordenou sua decapitação. Antes, porém, que a espada a tocasse, rezando, ela entregou sua alma ao Senhor.

VIVAT CHRISTUS REX

terça-feira, 1 de novembro de 2016

As ultimas palavras

As ultimas palavras de um homem e de uma mulher podem revelar quão alto é o Amor por Cristo e por Sua Igreja!
As ultimas palavras destes Santos revelam a nós onde estavam seus corações no momento do maior enfrentamento de todos, e de como eles suportaram tão grandioso momento!

1 - Santa Joana d'Arc.
"Jesus, Jesus, Jesus!"

2 - São Tomás Moro
"Morro como um bom servo do Rei, mas Deus em primeiro em lugar."

3 - Beato Miguel Pro
“Viva Cristo Rei."

4 - São João Paulo II, Papa.
"Deixem-me partir para a casa do Pai."

5 - Santa Teresa de Lisieux (Teresinha do Menino Jesus).
"Cheguei ao ponto de não ser capaz de sofrer mais, porque todo o sofrimento me é doce. Meu Deus, eu amo-Te."

6 - São Pio de Pietrelcina (Padre Pio)
"Jesus! Maria!"

7 - São Tomás Becket.
"Pelo Nome de Jesus e a defesa da Igreja estou preparado para abraçar a morte."

8 - Santo Estevão.
"Senhor Jesus, recebe o meu espírito. Senhor, não lhes imputes este pecado."

9 - Santa Bernadette.
"Bendita Maria, Mãe de Deus, rezai por mim!"

10 - São Carlos Borromeu.
"Senhor, deixai agora o vosso servo partir em paz."

11 - Santa Teresa de Ávila.
"Meu Senhor, é a hora de avançar. Sendo assim, seja feita a Vossa vontade. Ó meu Senhor e meu Esposo, chegou a hora pela qual tanto espere. Chegou a altura de nos encontrarmos."

12 - São Gregório VII, Papa.
"Amei a justiça e odiei a iniquidade, por isso morro no exílio."

13 - São João Bosco (D. Bosco).
"Amai-vos uns aos outros como irmãos. Fazei o bem a todos e o mal a nenhum...Dizei aos meus rapazes que espero por eles no Paraíso."

14 - Santa Teresa de Calcutá (Madre Teresa).
"Amo-te, Jesus."

15 - Santo António de Lisboa.
"Eu vejo o meu Senhor."

16 - Santa Catarina de Sena.
"Amado, chamaste-me e eu vim. Não pelas minhas forças mas pela Tua misericórdia e pelo Poder do Teu Sangue. Sangue, Sangue! Pai, nas Tuas mãos entrego o meu espírito."

17 - Santa Monica.
"Deixai este corpo em qualquer lado e não vos preocupeis com ele. Apenas vos peço uma coisa: que vos lembrais de mim no altar do Senhor, onde estejais."

18 - Santo Agostinho.
"Seja feita a vossa vontade. Vinde, Senhor Jesus!"

19 - Santo Antão.
"Agora, que Deus vos salve, meus filhos, porque o Antão parte e já não estará aqui convosco."

20 - São Domingos Sávio.
"Vejo as coisas mais maravilhosas!"

21 - São Pio X, Papa.
"Nasci pobre, vivi pobre, quero morrer pobre. (Escrito no seu testamento).

22 - Santa Maria Goretti.
"Perdoo a Alessandro Serenelli (o seu assassino), e quero que ele vá para o Céu para sempre."

23 - São Bonifácio.
"Cessai os ataques, meu filhos, acabai com as quezílias, porque as Escrituras recomendam que não paguemos o mal com o mal mas que paguemos o mal com o bem. Eis o dia tão esperado, chegou o nosso fim, coragem no Senhor!"

24 - São Maximiliano Kolbe.
“Ave Maria!”

25 - São Lourenço.
"Podem virar-me, deste lado já estou preparado!" (martirizado numa grelha).
VIVAT CHRISTUS REX








Postagem em destaque

Padre Francesco Bemonte

Padre Francesco Bemonte - Presidente da Associação Internacional de Exorcistas. São Pio de Pietrelcina, como também o beato carmelita e...