segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Vosso Olhar

Seu olhar penetra cada homem, lê a verdade de cada coração e desmascara todo fingimento.

Lucas 21, 1-4 - A oferta da viuva

Paz e Bem.

A oferta da viuva - Lucas 21, 1-4.

"Ao levantar os olhos, Jesus viu pessoas ricas depositando ofertas no cofre.Viu também uma viúva necessitada que deu duas moedinhas.
E ele comentou: “Em verdade, vos digo: esta viúva pobre deu mais do que todos os outros.Pois todos eles depositaram como oferta parte do que tinham de sobra, mas ela, da sua pobreza, ofereceu tudo que tinha para viver".

Comentário:

A viuvá da tudo o que tem para viver naquele dia. Privar-se do supérfluo também tem valor diante de Deus, porém a oferta que leva à privação do necessário revela generosidade e ao mesmo tempo grande fé e abandono total à providência de Deus. Riqueza e pobreza em Jesus não podem ser medidas com uma classificação fácil. Quem não põe à disposição dos outros o que possui é condenado como "rico". Quem vê no que possui um Dom de Deus a ser despendido em favor do próximo, deve ser imitado como "pobre". Note-se que não possuímos só dinheiro, mas ainda juventude, capacidades, tempo, fé, verdadeiro capital para investir em favor dos irmãos. Jesus procura pessoas generosas e disponíveis, capazes de dar tudo, mesmo a só próprias. Seu olhar penetra cada homem, lê a verdade de cada coração e desmascara todo fingimento.
VIVAT CHRISTUS REX




domingo, 30 de outubro de 2016

Quem tiver ouvidos ouça

Apocalipse – Capítulo 2:

Versículo 7 – “Quem tiver ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor darei de comer (do fruto) da árvore da vida, que se acha no paraíso de Deus”.

Versículo 11 – “Quem tiver ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O vencedor não sofrerá dano algum da segunda morte”.

Versículo 17 – “Quem tiver ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor darei o maná escondido e lhe entregarei uma pedra branca, na qual está escrito um nome novo que ninguém conhece, senão aquele que o receber”.

Versículo 26 – “Então ao vencedor, ao que praticar minhas obras até o fim, dar-lhe-ei poder sobre as nações pagãs”.

Apocalipse - Capítulo 3:

Versículo 5 - “O vencedor será assim revestido de vestes brancas. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, e o proclamarei diante do meu Pai e dos seus anjos”.

Versículo 12 – “Farei do vencedor uma coluna no templo de meu Deus, de onde jamais sairá, e escreverei sobre ele o nome de meu Deus, e o nome da cidade de meu Deus, a nova Jerusalém, que desce dos céus enviada por meu Deus, assim como o meu nome novo”.

Versículo 21 – “Ao vencedor concederei assentar-se comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono”.
VIVAT CHRISTUS REX








sábado, 29 de outubro de 2016

Santo Agostinho - Seguir a Cristo

Seguir a Cristo! Neste sermão de Santo Agostinho apreciamos quão grandioso e forte torna-se o homem que se rende a Cristo!

Santo Agostinho - Sermão 311, 2.

Os bem-aventurados apóstolos foram os primeiros a ver Cristo suspenso na Cruz; choraram a Sua morte, ficaram atemorizados face ao prodígio da Sua Ressurreição mas, logo a seguir, transportados de Amor por esta manifestação do Seu poder, não hesitaram em derramar o seu sangue para atestar a verdade do que tinham visto.

Pensemos, irmãos no que era pedido a esses homens: "ir por todo o mundo pregar que um morto tinha ressuscitado e subido ao céu; e sofrer, devido à pregação dessa verdade, tudo o que aprouvesse a um mundo insensato: 'privações, exílio, cadeias, tormentos, carrascos, feras ferozes, a cruz e morte'. Teriam sofrido tudo isso por um desconhecido?"

Teria Pedro morrido para sua própria glória? Teria ele pregado em proveito próprio? Ele morria e no lugar dele, Outro, que não era ele, seria glorificado por essa morte; ele foi morto e Outro foi adorado. Não, só a chama ardente da Caridade, unida à convicção da verdade, pode explicar semelhante audácia! Eles pregavam o que tinham visto.

Ninguém morre por uma verdade da qual não está seguro. Ou deveriam eles negar o que tinham visto? Mas não negaram, antes pregaram esse Morto que sabiam estar perfeitamente Vivo. Eles sabiam por qual vida desprezavam a própria vida, sabiam por qual felicidade suportavam provas passageiras, por qual recompensa suportava com Amor todos esses sofrimentos. A Fé de cada um deles pesava mais na balança do que o mundo inteiro.

VIVAT CHRISTUS REX






sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Apocalipse 3, 14-20

Apocalipse Capitulo 3, 14-20.

14. Ao anjo da igreja de Laodicéia, escreve: Eis o que diz o Amém, a Testemunha fiel e verdadeira, o Princípio da criação de Deus.

15. Conheço as tuas obras: não és nem frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente!

16. Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te.

17. Pois dizes: Sou rico, faço bons negócios, de nada necessito, e não sabes que és infeliz, miserável, pobre, cego e nu.

18. Aconselho-te que compres de mim ouro provado ao fogo, para ficares rico; roupas alvas para te vestires, a fim de que não apareça a vergonha de tua nudez; e um colírio para ungir os olhos, de modo que possas ver claro.

19. Eu repreendo e castigo aqueles que amo. Reanima, pois, o teu zelo e arrepende-te.

20. Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei em sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo.
VIVAT CHRISTUS REX







quinta-feira, 27 de outubro de 2016

São César de Arles - Sermão 32, 1-3; SC 243


Deus aceita as nossas ofertas de dinheiro e apraz-lhe que demos aos pobres, mas com esta condição: que todo o pecador, quando oferecer a Deus o seu dinheiro, ofereça também a alma.
Quando o Senhor diz: "Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" (Mc 12, 17), que quererá Ele dizer, senão: "Tal como dais a César, nas moedas de prata, a sua imagem em efígie, dai também a Deus, em vós mesmos, a imagem de Deus" (cf Gn 1, 26)?
Assim, quando distribuirmos dinheiro aos pobres, ofereçamos a nossa alma a Deus de forma a que, onde estiver o nosso dinheiro, possa também estar o nosso coração.
De fato, por que nos pede Deus para darmos dinheiro? É seguramente porque Ele sabe quão facilmente o homem se escraviza neste bem temporal, algo tão breve quanto a própria vida! É por que Ele sabe quão facilmente o homem coloca seu coração tão rapidamente em um valor que as "traças e o ferrugem" um dia consumirão (cf. Mt 6, 19)!
Eis porque Deus nos exorta a construir tesouros no céu através de dádivas feitas aos pobres; é para que o nosso coração vá até onde tivermos enviado o tesouro e para que, quando o sacerdote disser: "Corações ao alto", possamos responder de consciência tranquila: "O nosso coração está em Deus".
VIVAT CHRISTUS REX







São César de Arles

São César de Arles (470-543) - Monge - Bispo.

Para nosso bem e nossa salvação, a Sagrada Escritura aconselha-nos a que confessemos os nossos pecados, incessantemente e com humildade, não somente perante Deus, mas também perante um homem santo e temente a Deus. É assim que o Espírito Santo nos recomenda pela voz do apóstolo Tiago: "Confessai, pois, os pecados uns aos outros e orai uns pelos outros para serdes curados" (5, 16) ; e o salmista diz: "Confessarei os meus erros ao Senhor; e Vós perdoastes a culpa do meu pecado" (31, 5).
Ferimo-nos com os nossos pecados; por isso, devemos recorrer sempre ao medicamento da confissão. Com efeito, se Deus quer que nós confessemos os nossos pecados, não é que Ele não os saiba, mas é porque o diabo deseja encontrar forma de nos acusar perante o tribunal do Juízo Eterno; por isso, quer que pensemos mais em desculpá-los do que em acusá-los. O nosso Deus, pelo contrário, porque é bom e misericordioso, quer que os confessemos neste mundo, de modo a que não sejamos confundidos sobre eles no outro. Assim, ao confessarmo-nos, Ele mostra-se clemente; se os reconhecemos, perdoa-nos. E nós, irmãos, somos realmente os vossos médicos espirituais; procuramos com solicitude curar as vossas almas.
VIVAT CHRISTUS REX







terça-feira, 25 de outubro de 2016

São Francisco de Assis

São Francisco de Assis (1182-1226) Frei - Fundador da ordem OFM (Ordem dos Frades Menores) 

Exortação - Em nome do Senhor!

Cap. I - Dos que fazem penitência



Quão felizes e benditos são aqueles e aquelas que amam o Senhor “de todo coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças” e ao próximo como a si mesmos, odiando seus corpos com seus vícios e pecados, recebendo o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e produzindo frutos dignos de penitência.
Felizes e benditos os que assim fazem e assim perseveram, porque “sobre eles repousará o Espírito do Senhor” que neles fará morada. Estes são filhos do Pai celeste, fazem as obras do Pai, são esposos, irmãos e mães de Nosso Senhor Jesus Cristo. Somos esposos, quando por virtude do Espírito Santo, a alma fiel se une a Nosso Senhor Jesus Cristo.
Somos irmãos de Cristo, quando fazemos a “vontade do Pai que está nos céus” e somos mães, quando o levamos em nosso coração e em nosso corpo por virtude do amor divino e de uma pura e sincera consciência; nós o geramos por uma vida santa, que deve brilhar como exemplo para os outros.
Como é glorioso, santo e sublime ter um pai nos céus!Como é santo, consolador, belo e admirável ter tal esposo! Como é santo, dileto, agradável, humilde, pacífico, suave, amável e, sobretudo, desejável ter tal irmão e tal filho: nosso Senhor Jesus Cristo. Ele entregou sua vida pelas suas ovelhas e orou ao Pai dizendo: “Pai santo, conserva em teu nome aqueles que me deste no mundo; eram teus e os destes a mim”.
E as “palavras que me deste, dei-as a eles; eles as aceitaram e creram na verdade, porque de ti saí e conheceram que tu me enviaste”. Rogo por eles “não pelo mundo”. Abençoa-os e “santifica-os”. Também eu “por causa deles me santifico a mim mesmo”. Não rogo só por eles, mas também por aqueles que hão de crer em mim pela palavra deles para que sejam santificados na união assim como nós. E quero, Pai, que onde eu estiver, estejam eles comigo, para que vejam a minha glória no teu reino. Amém.
VIVAT CHRISTUS REX









segunda-feira, 24 de outubro de 2016

São Luís Maria Grignion de Montfort

Carta aos amigos da Cruz - São Luís Maria Grignion de Montfort.

Quereis enfim, conformar-vos ao século presente, desprezar a pobreza de minha Cruz, para correr atras das riquezas? Queres evitar a dor de minha Cruz para procurar aos prazeres? Queres odiar as humilhações de minha Cruz, para ambicionar as honras? Tenho, na aparência, muitos amigos que me fazem protestos de amor, e que, no fundo, me odeiam, pois não amam minha Cruz; muitos amigos de minha mesa e pouquíssimos amigos de minha Cruz!

domingo, 23 de outubro de 2016

Lumen Fidei - Do Sumo Pontífice Francisco

Carta Encíclica - Lumen Fidei.

Do Sumo Pontífice Francisco.

  • 10. A Abraão pede-se para se confiar a esta Palavra. A fé compreende que a palavra - uma realidade aparentemente efêmera e passageira -, quando é pronunciada pelo Deus fiel, torna-se o que de mais seguro e inabalável possa haver, possibilitando a continuidade do nosso caminho no tempo. A fé acolhe esta Palavra como rocha segura, sobre a qual se pode construir com alicerces firmes. Por isso, na Bíblia hebraica, a fé é indicada pela palavra "EMÛNAH, que deriva do verbo AMÀN , cuja raiz significa SUSTENTAR". O termo "EMÛNAH" tanto pode significar a fidelidade de Deus como a fé do homem. O homem fiel recebe a sua força do confiar-se nas mãos do Deus fiel. Jogando com dois significados da palavra - presentes tanto no termo grego "PISTÓS" como no correspondente latino "FIDELIS" -, São Cirilo de Jerusalém exaltará a dignidade do cristão, que recebe o mesmo nome de Deus: ambos são chamados "FIÉIS". E Santo Agostinho explica-o assim: "O homem fiel é aquele que crê no Deus que promete; o Deus fiel é quele que concede o que prometeu ao homem"


VIVAT CHRISTUS REX














sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Santo Ambrósio.

Santo Ambrósio (c. 340-397) – Bispo de Milão – Doutor da Igreja

Comentário ao evangelho de Lucas, 7, 134

Todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos ou terras por causa do meu nome receberá cem vezes mais (Mt 19, 29).
“Pensais que Eu vim estabelecer a paz na terra? Não. Eu vos digo que vim trazer a divisão. A partir de agora, estarão cinco divididos numa casa: três contra dois e dois contra três.” Em quase todas as passagens do Evangelho o sentido espiritual joga um papel importante; mas sobretudo nesta passagem, para que não seja rejeitada pela dureza de uma interpretação simplista, é preciso procurar na trama do sentido a profundidade espiritual. Como é que Ele próprio disse: “Dou-vos a minha paz, deixo-vos a minha paz” (Jo 14, 27), se veio separar os pais dos filhos, os filhos dos pais, rompendo os laços que os unem? Como pode ser chamado “maldito o que trata com desprezo seu pai ou sua mãe” (Dt 27, 16), e fervoroso o que os abandona?

Se compreendermos que a religião vem em primeiro lugar e a piedade filial em segundo, esta questão fica esclarecida; com efeito, o humano tem de vir depois do divino. Porque, se temos deveres para com os pais, quanto mais para com o Pai dos pais, a quem devemos estar reconhecidos pelos nossos pais! Ele não diz, portanto, que é preciso renunciar aos que amamos, mas que há que preferir Deus a todos. Aliás, encontramos noutro livro: “Quem amar pai ou mãe mais do que a Mim não é digno de Mim” (Mt 10, 37). Não te é interdito amares os teus pais, mas preferi-los a Deus. Porque as relações naturais são benefícios do Senhor, e ninguém deve amar os benefícios recebidos mais do que a Deus, que preserva os benefícios que dá.
VIVAT CHRISTUS REX








quinta-feira, 20 de outubro de 2016

São Paulino de Nola - Ele em tudo, Ele é tudo.

Ele em tudo, Ele é tudo!

Das Cartas de São Paulino de Nola (355-431) – Bispo.

Desde a origem do mundo que Cristo sofre em todos os Seus.
Ele é 'o princípio e o fim' (Ap 1, 8); escondido na lei, revelado no Evangelho, Ele é o Senhor 'sempre admirável', que sofre e triunfa 'nos Seus santos' (2Ts 1, 10; Sl 67, 36).

"Em Abel foi assassinado pelo irmão; em Noé foi ridicularizado pelo filho; em Abraão conheceu o exílio; em Isaac foi oferecido em sacrifício; em Jacó foi reduzido a servo; em José foi vendido; em Moisés foi abandonado e rejeitado; nos profetas foi lapidado e dilacerado; nos apóstolos foi perseguido em terra e no mar; nos Seus inúmeros mártires foi torturado e assassinado".


É Ele quem, ainda hoje, carrega a nossa fraqueza e as nossas doenças, porque Ele é o verdadeiro homem, exposto por nós a todos os males e capaz de tomar a Seu cargo a fraqueza que, sem Ele, seríamos totalmente incapazes de suportar.
É Ele, sim, é Ele que carrega em nós e por nós o peso do mundo para nos libertar dele; e assim, é 'na fraqueza que a Minha força se revela totalmente' (2Cor 12, 9).
É Ele que em ti suporta o desprezo, é Ele que este mundo odeia em ti.
Demos graças ao Senhor, porque se Ele é posto em causa, também é Ele que recebe a vitória (cf. Rm 3, 4).
Segundo esta palavra da Escritura, é Ele quem triunfa em nós quando, ao tomar a condição de servo, adquire para os Seus servos a graça da liberdade.

VIVAT CHRISTUS REX








terça-feira, 18 de outubro de 2016

São João Crisóstomo e Santa Brígida da Suécia - A Misericórida

São João Crisóstomo (347-407) - Teólogo - Escritor - Arcebispo de Constantinopla no fim do século IV e início do V.

"Essa misericórdia sobre a qual vós contais para poder pecar, dizei-me, quem vo-la prometeu? Não Deus, certamente, mas o demônio, obstinado em vos perder. Cuidado, de dar ouvidos a este monstro infernal que vos promete a misericórdia celeste. Deus é cheio de misericórdia, eu 'pecarei e em seguida confessar-me-ei'. Eis aí a ilusão, ou antes, a armadilha que o demônio usa para arrastar tantas almas ao inferno".

Santa Brígida da Suécia (1303-1373) - Religiosa - Escritora - Teóloga - Fundadora de ordem religiosa ( Ordem do Santíssimo Salvador).

"Nosso Senhor, aparecendo um dia a Santa Brígida, queixou-Se: 'Eu sou justo e misericordioso, mas os pecadores não querem ver senão minha misericórdia' (Ego sum justos et misericors; peccatores tantum misericordem me existimant - Rev. 1. I. c. 5). Não duvideis, diz São Basílio, que Deus é misericordioso, mas saibamos que Ele é também justo, e estejamos bem atentos para não considerar apenas uma metade de Deus. Uma vez que Deus é justo, é impossível que os ingratos escapem do castigo. Misericórdia! Misericórdia! Sim, mas para aquele que teme a Deus, e não para aquele que abusa da paciência divina!".

VIVAT CHRISTUS REX








segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Da consideração da miséria humana - Tomás de Kempis

Imitação de Cristo - Tomás de Kempis (1380-1471).

Da consideração da miséria humana.

Miserável serás, onde quer que estejas e para onde quer que te voltes, se não te voltares para Deus. Por que te afliges, quando não te correm as coisas a teu gosto e vontade? Quem é que tem tudo à medida de seu desejo? Nem eu, nem tu, nem homem algum sobre a terra. Ninguém há no mundo sem nenhuma tribulação ou angústia, quer seja rei quer Papa. Quem é que vive mais feliz? Aquele, de certo, que sabe sofrer alguma coisa por Deus.
Dizem muitos mesquinhos e tíbios: Olhai, que boa vida tem este homem: quão rico é, quão grande e poderoso, de que alta posição! Olha tu para os bens do céu, e verás que nada são os bens corporais, mas muito incertos e onerosos, pois nunca vive sem temor e cuidado quem os possui. Não consiste a felicidade do homem na abundância dos bens temporais; basta-lhe a mediania. O viver na terra é verdadeira miséria. Quanto mais espiritual quer ser o homem, mais amarga lhe será a vida presente, porque conhece melhor e mais claramente vê os defeitos da humana corrupção. Porque o comer, beber, velar, dormir, descansar, trabalhar e estar sujeito a todas as demais grandes misérias e aflições para o homem espiritual que deseja estar isento disto e livre de todo pecado.
VIVAT CHRISTUS REX








domingo, 16 de outubro de 2016

Santa Brígida da Suécia

Palavras de Jesus a Santa Brígida

O castelo de que te falei é a Santa Igreja, construída com o Meu sangue e o dos meus Santos, cimentado com o cimento da Minha Caridade; nela coloquei os meus eleitos e amigos. O seu fundamento é a Fé, isto é crer que Eu sou um Juiz Justo e Misericordioso. Mas agora está minado o fundamento, porque todos creem e pregam que sou Misericordioso, mas quase ninguém prega nem crê que Eu seja Justo Juiz. Esses acham-me quase um Juiz iníquo.

De fato, seria iníquo o Juiz, que por misericórdia despedisse sem castigo algum os iníquos, os quais por conseguinte oprimiriam ainda mais os justos. Mas eu Sou um Juiz Justo e Misericordioso, de modo que não deixarei sem castigo nem sequer o mínimo pecado, nem sem recompensa o mínimo bem.

Esses pregadores malvados que pecam sem temor, que negam a Minha Justiça, atormentam os meus amigos. dando-lhes “opróbrio e toda a espécie de dor como se fossem demônios experimentarão a Minha Justiça, serão como ladrões confundidos publicamente diante dos Anjos e dos homens. De fato, como os enforcados são devorados pelos corvos, assim estes serão devorados dos demônios e não consumidos.

Não escondas nenhum pecado, não deixes nenhum por punir, nem consideres nenhum ligeiro. Tudo aquilo que tiveres descuidado, Eu recordá-lo-ei e julgar-te-ei. E mais adiante não há homem algum que seja tão pecador que o seu pecado não seja perdoado, se o pedir com o propósito de se emendar e com contrição.

As Profecias e Revelações de Santa Brígida da Suécia
VIVAT CHRISTUS REX








Papa Leão XIII

Leão XIII contra a maçonaria

''Todos devem evitar a familiaridade ou amizade com qualquer um que seja suspeito de pertencer à maçonaria ou a grupos afiliados. Conhecei-os pelos seus frutos e evitai-os. Toda familiaridade deve ser evitada, não apenas com aqueles ímpios libertinos que promovem abertamente o carácter da seita, mas também com aqueles que se escondem sob a máscara da tolerância universal, o respeito por todas as religiões.''

Papa Leão XIII in Encíclica 'Custodi di quella Fede' sobre a Maçonaria (8/12/1892)
VIVAT CHRISTUS REX








sábado, 15 de outubro de 2016

São Francisco de Assis

Evitemos o orgulho e a vã glória - São Francisco de Assis

No amor que é Deus, suplico a todos os meus irmãos – aos que pregam, aos que oram, aos que trabalham manualmente, aos clérigos e leigos – que invistam na humildade em tudo: que não se ufanem, que não encontrem alegria ou se orgulhem interiormente com as boas palavras e as boas ações que Deus diz ou realiza por vezes neles ou através deles. Pois diz o Senhor: «não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem» (Lc 10,20). Convençamo-nos firmemente de que, por nós, só temos erros e pecados. Rejubilemos antes nas provações que temos de suportar na alma e no corpo, e em todo o tipo de angústias e de tribulações neste mundo, com vista à vida eterna.

Irmãos, evitemos o orgulho e a vã glória. Evitemos a sabedoria deste mundo e a prudência egoísta. Pois aquele que é escravo das suas tendências egoístas investe muito esforço e aplicação na formulação de discursos, mas muito menos na passagem aos actos; em lugar de procurar a religião e a santidade interiores do espírito, quer e deseja uma religião e uma santidade exteriores e visíveis aos olhos dos homens. É sobre eles que o Senhor diz: «Em verdade vos digo, receberam a sua recompensa» (Mt 6,5).

Pelo contrário, aquele que é dócil ao Espírito do Senhor quer mortificar e humilhar aquilo que é egoísta, vil e abjecto na carne. Dedica-se à humildade e à paciência, à simplicidade pura e à verdadeira paz de espírito; aquilo que deseja sempre e acima de tudo é o temor de Deus, a sabedoria de Deus e o amor de Deus Pai, Filho e Espírito Santo.

Primeira Regra, 17
VIVAT CHRISTUS REX








A necessidade de acolher às desculpas dos outros

Acolher às desculpas dos outros

Sabes bem desculpar e colorir as tuas ações, mas não queres atender às desculpas dos outros. Seria mais justo que te acusasses, e desculpasses o teu irmão. Se queres ser suportado, suporta tu os outros. Vê quão longe estás ainda da verdadeira caridade e humildade, que só sabe irritar-se e indignar-se contra si própria.

Não tem valor conviver com os que são bons e pacientes, pois isso agrada naturalmente a todos; qualquer pessoa quer a paz, e gosta mais dos que pensam como ela. Mas poder viver em paz com os duros e os maus, com os indisciplinados, com os que se opõem, isto é Nobre e grande Graça, ação Digna, Corajosa e Fecunda.

Aquele que melhor sabe sofrer, maior paz conseguirá, pois ele vence a si mesmo e vence o senhor do mal! Este homem é o amigo de Cristo e o Herdeiro do Céu.

Santa Teresa de Ávila e a Presença Real


Conheço uma pessoa a quem o Senhor deu uma fé tão forte, que quando ouvia alguém dizer que gostava de ter vivido na época em que Cristo, o nosso Bem, estava neste mundo, se ria consigo mesma. Dado que O possuímos, pensava ela, no Santo Sacramento de um modo tão verdadeiro como naquele tempo, que mais podemos desejar? E deitava-se a Seus pés; aí chorava em companhia de Maria Madalena, como se O tivesse visto com os olhos do corpo em casa do fariseu (Lc 7, 36ss). Mesmo quando não sentia devoção, a fé dizia-lhe que Ele estava verdadeiramente ali.

Com efeito, seria preciso ser-se mais estúpido do que se é e cegar-se voluntariamente para sentir a menor dúvida quanto a isto. Não se trata aqui de um trabalho da imaginação, como quando pensamos no Senhor na cruz ou em qualquer outra circunstância da Sua Paixão; aí representamos a coisa em nós mesmos, tal como ela se passou. Aqui, ela tem realmente lugar; é uma verdade certa, e não é necessário ir procurar o Senhor noutro sítio, bem longe de nós.

Com efeito, sabemos que enquanto a matéria do pão não for consumida pelo calor natural do corpo, o bom Jesus está em nós; consequentemente, aproximemo-nos d'Ele. Quando Ele estava neste mundo, o simples contacto das Suas vestes curava os doentes; por que duvidar, se temos fé, de que Ele continua a fazer milagres quando está tão intimamente unido a nós? Por que não nos daria Ele aquilo que Lhe pedimos, uma vez que está na nossa própria casa?

Livro - 'O Caminho da perfeição', 34/36.
VIVAT CHRISTUS REX








sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Ele não é o Deus dos mortos, mas dos vivos - Santo Anastácio de Antioquia

Santo Anastácio de Antioquia - (549 á 570 Monge - 593 á 599 Patriarca de Antioquia).


Cristo conheceu a morte, depois a vida, para se tornar o Senhor, tanto dos mortos como dos vivos (Rm 14,9); Deus não é o Deus dos mortos, é o Deus dos vivos. Dado que o Senhor dos mortos está vivo, os mortos já não estão mortos, mas vivos; a vida reina neles, para que vivam e deixem de temer a morte, do mesmo modo que Cristo ressuscitado dos mortos, já não morre (Rm 6,9). Ressuscitados e libertados da corrupção, já não verão a morte; participarão da ressurreição de Cristo, como Ele próprio teve lugar na sua morte. Com efeito, se Ele veio a terra, até então prisão eterna, foi para quebrar as portas de bronze e despedaçar os ferrolhos de ferro (Is 45,2), para retirar a nossa vida da corrupção, conduzindo-a para Ele, e dar-nos a liberdade em vez da escravidão. Se este plano de salvação ainda não está realizado, porque os homens continuam a morrer e os seus corpos são desagregados pela morte, isso não deve ser motivo de incredulidade. Recebemos já os primeiros frutos daquilo que nos é prometido, na pessoa d’Aquele que é o nosso primogênito. Com Ele, ressuscitou-nos; com Ele, fez-nos reinar nos céus, em Cristo Jesus (Ef 2,6). Esperaremos pela plena realização desta promessa quando chegar o tempo fixado pelo Pai, quando sairmos da infância e tivermos chegado ao estado de homem perfeito (Ef 4, 13). É que o Pai eterno quis que a dádiva que nos fez permaneça firme… O apóstolo Paulo declarou-o, pois ele sabia-o bem, isso acontecerá a todo o gênero humano, por Cristo, que transfigurará os nossos pobres corpos à imagem do seu corpo glorioso (Fl 3,21). O corpo glorioso de Cristo não é diferente do corpo semeado na fraqueza, desprezível (1Cor 15, 43); é o mesmo corpo, transformado em glória. E o que Cristo realizou conduzindo ao Pai a sua própria humanidade, primeiro exemplar da nossa natureza, fá-lo-á para toda a humanidade segundo a sua promessa: Quando eu tiver sido elevado da terra, atrairei a mim todos os homens (Jo 12, 32).

VIVAT CHRISTUS REX








quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Maria Santíssima, Justa e Admirável

Maria Santíssima, Rainha e Senhora minha, clamo Vossa intercessão ao Seu Filho Nosso Senhor Jesus Cristo! 
Clamo no silêncio de minha Alma e sei que olhas para mim. A Senhora conhece-me melhor que eu mesmo.
Peço para que cale o que não é de Vosso Amado Filho Jesus Cristo em meu viver. 
Não peço a Senhora alívio! Não quero o conforto mas desejo o doce peso e a salutar dor da Cruz.
Sei que a Senhora é Mãe, Justa e Admirável, por isso minha alma sente-se acalentada.
O que mais clamar!
VIVAT CHRISTUS REX









quarta-feira, 12 de outubro de 2016

São Padre Pio e São Bernardo de Claraval


Foram dois grandes santos em espírito de oração e dolorosamente dedicados a uma chaga da Paixão de Cristo.


Ambos são santos e compartilham a recompensa eterna que Deus preparou para eles. Mas, além disso, os dois tiveram uma devoção sincera, em especifico, a uma chaga de Cristo.

São Bernardo de Claraval, abade francês e místico que ajudou a renovar a Ordem de Cister, no século 12, relatou uma conversa que tivera com o Nosso Senhor e que ficou registrada nas Atas do Mosteiro de Claraval. Ele orou, perguntando a Jesus qual tinha sido o seu maior sofrimento não registrado pelos homens; e o Senhor lhe respondeu:

“Eu tinha uma ferida no ombro, em que havia carregado a Cruz, e esta ferida era mais dolorosa que as outras. Os homens não fazem menção dela, porque lhes é desconhecida. Honrai-a, pois, e Eu vos concederei tudo o que me pedirdes por sua virtude. Todos aqueles que a venerarem, obterão a remissão dos seus pecados veniais e graças eficazes para alcançar o perdão dos pecados mortais que tiverem cometido”.

São Padre Pio de Pietrelcina, frade Capuchinho, padre e místico, morreu em 1968. Padre Pio era conhecido como um confessor e um homem santo que há mais de 50 anos manifestava as chagas de Cristo (os estigmas) em suas mãos e pés.

Em um livro publicado em língua italiana pelo convento de São Pio, intituladoIl Papa e Il Frate, o autor Stefano Campanella informou que o futuro São Pio tinha tido uma conversa muito interessante com Karol Wojtyla, o futuro Papa São João Paulo II.

De acordo com Campanella, Padre Wojtyla perguntou ao Padre Pio qual de seus ferimentos causou mais dor. Padre Wojtyla esperava que Padre Pio fosse dizer que era sua ferida no peito; mas em vez disso Padre Pio respondeu: “É o meu ferimento no ombro, que ninguém conhece e nunca foi curado ou tratado”.

Em 2008, 40 anos após a morte de Padre Pio, o autor Frank Rega escreveu sobre Padre Pio:

Uma vez em Padra tinha confiado ao irmão Modestino Fucci,agora o porteiro no convento de Padre Pio em San Giovanni Rotondo, Itália,que suas maiores dores ocorreram quando ele mudou de veste. Irmão Modestino, como Padre Wojtyla, pensou que o Padre Pio estava se referindo às dores do ferimento no peito.Então, no dia 04 de fevereiro de 1971, foi atribuído ao irmão Modestino a tarefa de fazer um inventário de todos os itens do falecido padre na cela do convento, e também os seus pertences nos arquivos. Naquele dia, ele descobriu que em uma das vestes do Padre Pio tinha um círculo de mancha de sangue na área do ombro direito.

Nessa mesma noite, o irmão Modestino pediu em oração ao Padre Pio que esclarecesse sobre o significado da camisa manchada de sangue. Ele pediu ao Padre para dar-lhe um sinal se Cristo realmente teve um ferimento no ombro. Em seguida foi dormir, despertando 1 hora da manhã com uma terrível, angustiante dor em seu ombro, como se tivesse sido cortado com uma faca até o osso do seu ombro. Ele sentiu que iria morrer de dor se continuasse, mas durou apenas um curto período de tempo. Em seguida, a sala se encheu com o aroma de um perfume celestial de flores – o sinal da presença espiritual de Padre Pio – e ele ouviu uma voz dizendo: “Isso é o que eu tinha que sofrer!”

São Bernardo de Claraval, depois de receber a mensagem de Cristo sobre a dor que experimentou em seu ombro, procurou promover devoção ao ferimento no ombro de Cristo, e escreveu esta oração:

Oração à Chaga do ombro de Nosso Senhor Jesus Cristo:

Ó bom Jesus, Senhor e Redentor meu, que carregastes a pesada Cruz de todos os pecados do mundo e também os meus, pelos méritos da Chaga e dor que tal Cruz rasgou no vosso Ombro, eu Vos peço, humildemente, o arrependimento e perdão de todas as minhas culpas e a graça de morrer sem pecado. E lembrando o auxílio que Vos deu Simão Cireneu, aliviando o peso da vossa Cruz, peço-Vos ainda, em virtude da Chaga do vosso Ombro, que foi a primeira e a mais escondida do vosso sacrifício redentor, que susciteis no mundo muitas almas vítimas, a continuarem nelas a vossa Paixão e, pela generosidade do seu holocausto, suportado com amor heróico, resgagem muitos peadores, salvem muitos moribundos, e atraiam sobre a Terra uma chuva de Caridade e Pureza.
Amém.

VIVAT CHRISTUS REX








Ícone de Maria e Eva


“A Virgem Maria consola Eva”

Ao atentarmos nos detalhes, nos sinais desta obra, verificamos sua imensa riqueza profundidade espiritual.

Nesta cena estão Eva, mãe da humanidade segundo a ordem natural e Maria, mãe da humanidade redimida segundo a Graça!

As duas mulheres concebidas sem o pecado original:
  •  A Virgem Maria toca com sua mão direita a face de Eva lhe consolando.
  •  Eva entristecida, segura em sua mão direita a maçã (referência ao fruto da árvore proibida), e com sua mão esquerda toca o Salvador, Jesus Cristo!
  •  A Virgem Maria repousa sua Mão esquerda sobre a mão esquerda de Eva que esta sobre seu Ventre em sinal de que Ele, Seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo é desde sempre Misericordioso. Por Eva veio á condenação, Por Maria a Salvação!
  •  Maria sorri! Junto ao Seu Filho, Nosso Senhor, Ela demonstra para com Eva Amor e Misericórdia, e com olhar terno e manso afirma que aquele erro passado foi vencido e desde sempre superado com o Fruto de seu Ventre!
  •  A serpente sedutora enrolada aos pés de Eva tem sua cabeça esmagada pela Virgem Maria, por aquela que é a Detentora e Dispensadora de todas as Graças. A que seduziu Eva no Paraíso, é esmagado por Maria.
  •  Nos calcanhares de Eva, enrolada, a serpente que levou todo o gênero humano ao pecado, e no ventre da Virgem Maria o Filho que redime todo o gênero humano. “Maria é a mulher que pisa na cabeça da serpente após a queda de Eva”.
Se por uma mulher(Eva) veio o pecado ao Mundo, por outra (Maria) veio a Salvação.

(Sto. Irineu. Séc. II).

“Assim como por uma virgem desobediente foi o homem ferido, caiu e morreu, assim também por meio de uma Virgem obediente à Palavra de DEUS, o homem recobrou a vida. Era justo e necessário que Adão fosse restaurado em CRISTO, e que Eva fosse restaurada em MARIA, a fim de que uma Virgem apagasse e abolisse pela Sua obediência virginal a desobediência de uma virgem.“
VIVAT CHRISTUS REX








terça-feira, 11 de outubro de 2016

A Santa Missa

O Santo Sacrifício da Missa!

“Maiorem hac dilectionem nemo habet, ut animam suam quis ponat pro amicis suis” (Jo 15,13).
“In his omnibus supervincimus per eum, qui dilexit nos”. (Rm 8,37)

http://vivacristorei.tumblr.com/post/151682923093/o-santo-sacrifício-da-missa-maiorem-hac

A Imitação de Cristo - Tomás de Kempis


LIVRO PRIMEIRO - CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 14

Como se deve evitar o juízo temerário


Relanceia sobre ti o olhar e guarda-te de julgar as ações alheias.
Quem julga os demais perde o trabalho, quase sempre se engana e facilmente peca; mas, examinando-se e julgando-se a si mesmo, trabalha sempre com proveito. De ordinário, julgamos as coisas segundo a inclinação do nosso coração, pois o amor-próprio facilmente nos altera a retidão do juízo. Se Deus fora sempre o único objetivo dos nossos desejos, não nos perturbaria tão facilmente qualquer oposição ao nosso parecer.

Muitas vezes existe, dentro ou fora de nós, alguma coisa que nos atrai e em nós influi. Muitos buscam secretamente a si mesmos em suas ações, e não o percebem. Parecem até gozar de boa paz, enquanto as coisas correm à medida de seus desejos; mas, se de outra sorte sucede, logo se inquietam e entristecem. Da discrepância de pareceres e opiniões frequentemente nascem discórdias entre amigos e vizinhos, entre religiosos e pessoas piedosas.

É custoso perder um costume inveterado, e ninguém renuncia, de boa mente, a seu modo de ver. Se mais confias em tua razão e talento que na graça de Jesus Cristo, só raras vezes e tarde serás iluminado; pois Deus quer que nos sujeitemos perfeitamente a ele e que nos elevemos acima de toda razão humana, inflamados do seu amor.

VIVAT CHRISTUS REX

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Tomás de Kempis - (1380-1471).


Imitação de Cristo - Tomás de Kempis (1380-1471) - Monge.

Da prudência nas ações.

Não se há de dar crédito a toda palavra nem a qualquer impressão, mas cautelosa e naturalmente se deve, diante de Deus, ponderar as coisas. As almas perfeitas, porém, não creem levianamente em qualquer coisa que se lhes conta, pois conhecem a fraqueza humana inclinada ao mal e fácil de pecar por palavras.
Grande sabedoria é não ser precipitado nas ações, nem aferrado obstinadamente à sua própria opinião; sabedoria é também não acreditar em tudo que nos dizem, nem comunicar logo a outros o que ouvimos ou suspeitamos. Toma conselho com um varão sábio e consciencioso, e procura antes ser instruído por outrem, melhor que tu, que seguir teu próprio parecer. A vida virtuosa faz o homem sábio diante de Deus e entendido em muitas coisas. Quanto mais humilde for cada um em si e mais sujeito a Deus, tanto mais prudente será e calmo em tudo.
VIVAT CHRISTUS REX








domingo, 9 de outubro de 2016

Discurso de S. Cirilo de Jerusalém, no I Concílio de Éfeso - (Séc. IV).


Por S. Cirilo de Jerusalém (Séc IV).

Salve, cidade de Éfeso, mais formosa que os mares, porque em vez dos portos da terra, marcaram encontro em ti os que são portos do céu! Salve, honra desta região asiática semeada por todos os lados de templos, como preciosas jóias, e consagrada, no presente, pelos benditos pés de muitos santos Padres e Patriarcas! Com sua vinda, cumularam-te de toda bênção, porque onde eles se congregam, aumenta e multiplica-se a santidade: religiosos fiéis, anjos da terra, afugentam eles, com sua presença, todo satânico poder e toda afeição pagã. Eles, repetimos, confundem toda heresia e são glórias de nossa fé ortodoxa.

Salve, bem-aventurado João, apóstolo e evangelista, glória da virgindade, mestre da honestidade. Salve, vaso puríssimo da temperança, a ti virgem, confiou, na cruz, nosso Senhor Jesus Cristo a Mãe de Deus, sempre virgem!

Salve, ó Maria, Mãe de Deus, virgem e mãe, estrela e vaso de eleição! Salve, Maria, virgem, mãe e serva: virgem, na verdade, por virtude daquele que nasceu de ti; mãe por virtude daquele que cobriste com panos e nutriste em teu seio; serva, por aquele que amou de servo a forma! Como Rei, quis entrar em tua cidade, em teu seio, e saiu quando lhe aprouve, cerrando para sempre sua porta, porque concebeste sem concurso de varão, e foi divino teu parto. Salve, Maria, templo onde mora Deus, templo santo, como o chama o profeta Davi, quando diz: "O teu templo é santo e admirável em sua justiça" (Sl 64). Salve, Maria, criatura mais preciosa da criação; salve, Maria, puríssima pomba; salve, Maria, lâmpada inextinguível; salve, porque de ti nasceu o sol da Justiça! Salve, Maria, morada da infinitude, que encerraste em teu seio o Deus infinito, o Verbo unigênito, produzindo sem arado e sem semente a espiga incorruptível! Salve, Maria, mãe de Deus, aclamada pelos profetas, bendita pelos pastores, quando com os anjos cantaram o sublime hino de Belém: "Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade" (Lc 2,14). Salve, Maria, Mãe de Deus, alegria dos anjos, júbilo dos arcanjos que te glorificam no céu! Salve, Maria, Mãe de Deus: por ti adoraram a Cristo os Magos guiados pela estrela do Oriente; salve, Maria, Mãe de Deus, honra dos apóstolos! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem João Batista, ainda no seio de sua mãe exultou de alegria, adorando como luzeiro a perene luz! Salve, Maria, Mãe de Deus, que trouxeste ao mundo graça inefável, da qual diz são Paulo: "apareceu a todos os homens a graça de Deus salvador" (Tt 2,1). Salve, Maria, Mãe de Deus, que fizeste brilhar no mundo aquele que é luz verdadeira, a nosso Senhor Jesus Cristo, que diz em seu Evangelho: "eu sou a luz do mundo!" (Jo 8,12). Deus te salve, Mãe de Deus, que iluminaste aos que estavam em trevas e sombras de morte; porque o povo que jazia nas trevas viu uma grande luz (Is 9, 2), uma luz não outra senão Jesus Cristo nosso Senhor, luz verdadeira que ilumina todo homem que vem a este mundo (Jo 1,9). Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem se apregoa nos Evangelhos: "bendito o que vem em nome do Senhor!" (Mt 21,9), por quem se encheram de igrejas nossas cidades, campos e vilas ortodoxas! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o vencedor da morte e o destruidor do inferno! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o autor da criação e o restaurador das criaturas, o Rei dos céus! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem floresceu e refulgiu o brilho da ressurreição! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem luziu o sublime batismo de santidade no Jordão! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem o Jordão e o Batista foram santificados e o demônio foi destronado! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem é salvo todo espírito fiel! Salve, Maria, Mãe de Deus, - pois acalmaste e serenaste os mares para que pudessem nossos irmãos cooperadores e pais e defensores da fé, serem conduzidos, com alegria e júbilo espiritual, a esta assembléia de entusiásticos defensores de tua honra!

Também aquele que, levando cartas de perseguição, sendo derrubado pela luz do céu no caminho de Damasco, falou sobre ti e confirmou para o mundo a fé na Trindade consubstancial, de um só Senhor, de um só batismo; de um só Pai, um só Filho, um só Espírito Santo; da substância inseparável e simplicíssima; da divindade incompreensível do Senhor Deus de Deus, Luz de Luz, Esplendor da Glória, que nasceu de Maria Virgem, conforme o anúncio do Arcanjo: "Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo, o Espírito Santo descerá sobre ti, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com sua sombra, e por isso o santo que de ti nascer será chamado Filho de Deus vivo" (Lc 1,35). Não somente o sabemos pelo arcanjo Gabriel; também Davi, no vaticínio que canta diariamente a Igreja, nos diz: "O Senhor me disse: és meu filho; no dia de hoje te gerei" ( Sl 2,7). Já o sábio Isaías, filho do profeta Amós, profeta nascido de profeta, o predissera: "Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho e seu nome será Emanuel, que significa Deus conosco" (Mt 1,23).

Por isso todos os que formos fieis às Escrituras, seguindo os caminhos de Paulo, ouvindo as vozes dos profetas clamar-te-ão Bem aventurada.. Todos os que formos seguidores dos Evangelhos permaneceremos como disse o profeta: seremos como “oliveira fértil na casa de Deus” (Sl 51), glorificando a Deus Pai Todo Poderoso, a seu Filho UNIGÊNITO que nasceu de Maria e ao vivificante Espírito Santo, que se comunica a todos na vida; submissos aos fidelíssimos imperadores, honrando as rainhas, discretas e santas virgens, no seu amor à fé ortodoxa de Cristo de Jesus, nosso Senhor a quem se deve a glória pelos séculos dos séculos . Amém.

São Cirilo de Jerusalém

VIVAT CHRISTUS REX








Postagem em destaque

Padre Francesco Bemonte

Padre Francesco Bemonte - Presidente da Associação Internacional de Exorcistas. São Pio de Pietrelcina, como também o beato carmelita e...