segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Basta-nos Crer

Paz e Bem.

Basta-nos crer e seremos filhos fiéis ao Pai que nos chama ao Amor e ao Perdão.
VIVAT CHRISTUS REX




domingo, 28 de setembro de 2014

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Dom Joaquim Justino Carreira

Dom Joaquim Justino Carreira (1950-2013) - 3º Bispo Diocesano de Guarulhos - Ordenação presbiteral 19 de março de 1977 - Ordenação episcopal 21 de agosto de 2005 - Lema episcopal "PAX VOBIS" - "A paz esteja convosco".

"O ser humano fechado em si mesmo, afastado de Deus e dos irmãos, experimenta a solidão e a morte do seu ser, a morte ôntica, a incapacidade de amar e de sentir-se amado."
VIVAT CHRISTUS REX




segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Santo Efrém, o Sírio

Santo Efrém, o Sírio (306-373).

Estes homens estavam prontos para trabalhar, mas ninguém os contratara; eram laboriosos, mas estavam ociosos por falta de trabalho e de patrão. Foi então que uma voz os contratou, que uma palavra os pôs a caminho e, no seu zelo, não combinaram previamente o preço do seu trabalho, como tinham feito os primeiros. O senhor avaliou a sua tarefa com sabedoria e pagou-lhes o mesmo que aos outros. Nosso Senhor proferiu esta parábola para que ninguém diga: «Como não fui chamado na juventude, não posso ser recebido.» Mostrou assim que, seja qual for o momento da sua conversão, todos os homens serão acolhidos. Ele saiu ao romper da manhã, pelas nove horas, pelo meio-dia, pelas três da tarde e pelas cinco da tarde; podemos aplicar isto ao começo da sua pregação, depois ao curso da sua vida e finalmente à cruz, pois foi aí, à última hora, que o bom ladrão entrou no Paraíso (Lc 23,43). Para que não nos ocorra incriminar o ladrão, Nosso Senhor afirma a sua boa vontade: se tivesse sido contratado, teria trabalhado, mas ninguém o contratara.
Aquilo que damos a Deus é claramente indigno dele, e aquilo que Ele nos dá fica muito além do que merecemos. Somos contratados para um trabalho proporcional às nossas forças, mas recebemos um salário totalmente desproporcionado. Ele trata da mesma maneira os primeiros e os últimos: todos receberam um denário com a efígie do Rei, que significa o Pão da Vida (Jo 6,35), que é o mesmo para todos; com efeito, o remédio da vida é o mesmo para todos os que o tomam.
Não podemos censurar ao senhor da vinha a sua bondade, nem podemos comentar negativamente a sua justiça: na sua justiça, ele pagou o que tinha combinado, e na sua bondade mostrou-se misericordioso como quis. Foi para nos dar este ensinamento que Nosso Senhor proferiu esta parábola, resumindo tudo isto com estas palavras: Não me será permitido dispor dos meus bens como entender?
VIVAT CHRISTUS REX




domingo, 21 de setembro de 2014

Dom Joaquim Justino Carreira

Dom Joaquim Justino Carreira (1950-2013) - 3º Bispo Diocesano de Guarulhos - Ordenação presbiteral 19 de março de 1977 - Ordenação episcopal 21 de agosto de 2005 - Lema episcopal "PAX VOBIS" - "A paz esteja convosco".

"Guiado por Cristo, o homem novo vai ouvindo a Palavra de Deus e colocando-a em prática, tornando-se, aos poucos, um sábio. Vai construindo a sua casa - 'SUA VIDA' - sobre a rocha. Aconteça o que acontecer, ela nunca desmorona."

VIVAT CHRISTUS REX




sábado, 20 de setembro de 2014

Santo Efrém, o Sírio

Santo Efrém, o Sírio (306-373)

Fazei resplandecer, Senhor, o dia luminoso da vossa ciência e dissipai as trevas noturnas da nossa alma, para que seja iluminada e Vos sirva renovada e pura.
O nascer do sol assinala aos mortais o começo das suas labutas; adornai, Senhor, a morada da nossa alma, para que nela permaneça o esplendor daquele dia que não tem fim. 
Fazei, Senhor, que cheguemos a contemplar em nós mesmos a vida da ressurreição, e que nada consiga apartar o nosso espírito das vossas alegrias.
Imprimi, Senhor, em nossos corações o sinal daquele dia que não se rege pelo movimento do sol, infundindo-nos uma constante orientação para Vós.
Todos os dias Vos abraçamos nos sacramentos e Vos recebemos no nossos corpo; tornai-nos dignos de sentir em nós mesmos a ressurreição que esperamos.
Com a graça do batismo conservamos escondido no nosso corpo o tesouro que nos destes, esse tesouro que aumenta na mesa dos vossos sacramentos; fazei-nos viver sempre na alegria da vossa graça.
Nós Vos pedimos que, através daquela beleza espiritual que a vossa vontade imortal faz resplandecer mesmo nas criaturas mortais, nos leveis a compreender retamente a beleza da nossa própria dignidade.
A vossa ressurreição, ó Jesus, faça crescer em nós o homem espiritual e os sinais dos vossos sacramentos no-lo revelem como num espelho, para o conhecermos cada vez melhor.
Concedei, Senhor, que caminhemos velozmente para a nossa pátria celeste e, como Moisés no alto do monte, a possamos desde já contemplar através da Revelação.
VIVAT CHRISTUS REX




quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Dom Joaquim Justino Carreira

Dom Joaquim Justino Carreira (1950-2013) - 3º Bispo Diocesano de Guarulhos - Ordenação presbiteral 19 de março de 1977 - Ordenação episcopal 21 de agosto de 2005 - Lema episcopal "PAX VOBIS" - "A paz esteja convosco".

Livro: Trevas ou Luz - Os Pecados Capitais e os Dons do Espírito Santo.

"As consequências do pecado em nós são gravíssimas, pois nos corrompe e nos torna adversários uns dos outros, ao invés de vivermos em comunhão, porque o ser humano foi criado por Deus para ser feliz fazendo os outros felizes. A corrupção do pecado cria uma "descomunhão" com Deus, com os irmãos e com a natureza, submetendo-nos à ignorância, ao sofrimento, ao poder da escravidão que inclina sempre ao pecado. Essa inclinação é chamada concupiscência".   
VIVAT CHRISTUS REX




terça-feira, 16 de setembro de 2014

São Patricio - Couraça

São Patrício (387-461) - Bispo de Ruão - Apóstolo da Irlanda - Taumaturgo.

A COURAÇA.

Cinjo-me hoje com a força poderosa da invocação da Trindade,
da fé em Deus uno e trino, Criador do Universo.
Cinjo-me hoje com o poder da encarnação de Cristo e do seu batismo,
com o poder da sua crucificação e da sua descida ao túmulo,
com o poder da sua ressurreição e da sua ascensão,
com o poder da sua vinda no dia do Juízo Final.
Cinjo-me hoje com a força do amor dos serafins,
a obediência dos anjos, o serviço dos arcanjos,
a esperança da ressurreição com vista à recompensa,
as orações dos patriarcas, as profecias dos profetas,
a pregação dos apóstolos, a fidelidade dos confessores,
a inocência das virgens santas, as ações de todos os justos.
Cinjo-me hoje com o poder do céu,
a luz do sol, a claridade da lua,
o esplendor do fogo, o brilho do relâmpago,
a rapidez do vento, as profundezas do mar,
a estabilidade da terra, a solidez das pedras.
Cinjo-me hoje com a força de Deus para me guiar,
o poder de Deus para me amparar,
a sabedoria de Deus para me instruir,
o olhar de Deus para zelar por mim,
o ouvido de Deus para me escutar,
a palavra de Deus para falar comigo,
a mão de Deus para me guardar,
o caminho de Deus para eu trilhar,
o escudo de Deus para me proteger,
os exércitos de Deus para me salvarem
das ciladas dos demônios, das tentações dos vícios,
das fraquezas da natureza e de todos aqueles que me querem mal.
Cristo comigo, Cristo à minha frente,
Cristo atrás de mim, Cristo em mim,
Cristo abaixo de mim, Cristo sobre mim,
Cristo à minha direita, Cristo à minha esquerda,
Cristo quando me levanto, Cristo quando me deito,
Cristo no coração de quem pensa em mim,
Cristo na boca de quem fala de mim,
Cristo nos olhos de quem me olha,
Cristo nos ouvidos de quem me ouve.
Cinjo-me hoje com a força poderosa da invocação da Trindade,
da fé em Deus uno e trino, Criador do Universo.
VIVAT CHRISTUS REX




domingo, 14 de setembro de 2014

Paz e Bem.

Paz e Bem.

Toda a vida deve de estar direcionada para a Cruz de Cristo. Na Cruz encontramos nosso lugar e sustento necessário!
VIVAT CHRISTUS REX




sábado, 13 de setembro de 2014

Dom Henrique Soares da Costa - Bispo da Diocese de Palmares (2014)

Dom Henrique Soares da Costa - Bispo da Diocese de Palmares (2014) - Ordenação presbiteral 15 de agosto de 1992 Maceió - Nomeação episcopal 1 de abril de 2009 - Ordenação episcopal 19 de junho de 2009 - Lema episcopal "IN CHRISTO PASCERE"  - "Apascentar em Cristo".

"Não pode compreender o mistério da cruz quem não se deixa atingir e questionar por estas perguntas, por estas dores, por estes prantos! Não pode proclamar o triunfo do Senhor quem não suportou o absurdo da cruz do Senhor! A cruz não é um ornamento, uma brincadeira; a cruz é um ícone, um símbolo, uma parábola impressionante e dolorosa! Na cruz está significado tudo aquilo que tanto nos apavora! E, no entanto, Jesus diz que era necessário passar pela cruz: “Do mesmo modo que Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado...” (Jo 3,14). Palavra impressionante, confirmada após a ressurreição: “Não era necessário que o Filho sofresse tudo isso e assim entrasse na Sua glória?” (Lc 24,26). Por que era necessário? Por que no caminho do Cristo e do cristão têm que estar a cruz, bendita e maldita? Por quê? E para quê? Para mostrar-nos até onde o pecado nos levou e até onde o amor de Deus está disposto a ir por nós".
VIVAT CHRISTUS REX




sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Estar nos braços de Cristo

Paz e Bem!

Nada mais nos falta que render-se ao Amor de Deus!
Nada mais devemos querer do que estar nos braços de Cristo!
VIVAT CHRISTUS REX




quinta-feira, 11 de setembro de 2014

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

domingo, 7 de setembro de 2014

São João Crisóstomo

São João Crisóstomo (345-407)

Quando vos digo para imitardes o apóstolo Paulo, não estou a dizer-vos: Ressuscitai os mortos, curai os leprosos. Fazei melhor: tende caridade. Tende o amor que animava São Paulo, pois essa virtude é bem superior ao poder de fazer milagres. Onde houver caridade, Deus Filho reina com o Pai e o Espírito Santo. Ele disse-o: Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles. Amar este encontro é característico de uma amizade tão forte quanto real.
Haverá pessoas tão miseráveis, perguntareis vós, que não desejem ter Cristo entre elas? Há, sim, meus filhos: nós próprios. Expulsamo-Lo do meio de nós quando estamos em luta uns contra os outros. Dir-me-eis: O que estás a dizer? Não vês que estamos reunidos em seu nome, entre as mesmas paredes, no recinto da mesma igreja, atentos à voz do nosso pastor? Sem a menor dissensão, na unidade dos cânticos e das orações, a escutar juntos o nosso pastor. Onde está a discórdia?
Sei que estamos no mesmo redil e com o mesmo pastor. Por isso, choro mais amargamente ainda. Pois estando vós calmos e tranquilos neste momento, ao sairdes da igreja, este critica aquele; um injuria publicamente o outro; outro é devorado pela inveja, pelo ciúme ou pela avareza; aquele medita na vingança, este na sensualidade, na duplicidade ou na fraude. Respeitai portanto, respeitai esta mesa santa na qual todos comungamos; respeitai Cristo por nós imolado; respeitai o sacrifício que é oferecido sobre este altar que está no meio de nós.

VIVAT CHRISTUS REX

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

São Josemariá Escrivá

São Josemariá Escrivá (1902-1975).

Livro - É Cristo que passa.

A guerra do cristão é incessante, porque na vida interior se verifica um perpétuo começar e recomeçar, que nos impede de orgulhosamente nos imaginarmos perfeitos. É inevitável que haja muitas dificuldades no nosso caminho; se não encontrássemos obstáculos, não seríamos criaturas de carne e osso. Sempre teremos paixões que nos puxem para baixo, e sempre precisaremos defender-nos contra esses delírios mais ou menos veementes.

Perceber no corpo e na alma o aguilhão da soberba, da sensualidade, da inveja, da preguiça, do desejo de subjugar os outros, não deveria representar uma descoberta. É um mal antigo, sistematicamente confirmado pela nossa experiência pessoal; é o ponto de partida e o ambiente habitual do nosso esforço por ganhar, num íntimo desporto, a nossa corrida para a casa do Pai. Por isso nos ensina São Paulo: Quanto a mim, corro, não como que à aventura; luto, não como quem açoita o ar; mas castigo o meu corpo e conservo-o na escravidão, não suceda que, tendo pregado aos outros, venha eu a ser condenado.

Para iniciar ou sustentar esta contenda, o cristão não deve esperar por manifestações exteriores ou sentimentos favoráveis. A vida interior não é questão de sentimentos, mas de graça divina e de vontade, de amor. Todos os discípulos foram capazes de seguir Cristo no seu dia de triunfo em Jerusalém, mas quase todos o abandonaram à hora do opróbrio da Cruz

Para amar de verdade, precisamos ser fortes, leais, com o coração firmemente ancorado na fé, na esperança e na caridade. Só a ligeireza insubstancial muda caprichosamente de objeto em seus amores, que não são amores, mas compensações egoístas. Quando há amor, há integridade: capacidade de entrega, de sacrifício, de renúncia. E, no meio da entrega, do sacrifício e da renúncia - com o suplício da contradição -, a felicidade e a alegria. Uma alegria que nada nem ninguém nos poderá tirar.

Neste torneio de amor, não nos devem entristecer as nossas quedas, nem mesmo as quedas graves, se recorremos a Deus com dor e bom propósito, mediante o sacramento da Penitência. O cristão não é nenhum colecionador maníaco de uma folha de serviços imaculada. Jesus Cristo Nosso Senhor não só se comove com a inocência e a fidelidade de João, como se enternece com o arrependimento de Pedro depois da queda. Jesus compreende a nossa debilidade e atrai-nos a Si como que por um plano inclinado, desejando que saibamos insistir no esforço de subir um pouco, dia após dia. Procura-nos como procurou os discípulos de Emaús, indo ao seu encontro; como procurou Tomé e lhe mostrou as chagas abertas nas mãos e no lado, fazendo com que as tocasse com seus dedos. Jesus Cristo está sempre à espera de que voltemos para Ele, precisamente porque conhece a nossa fraqueza.
VIVAT CHRISTUS REX




quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Papa Francisco

Papa Francisco (266º Papa) - Em seu brasão - "Miserando atque eligendo - Olhou-o com misericórdia e o escolheu".

“A autoridade do cristão provém do Espírito Santo, não da sabedoria humana ou de láureas em teologia”


VIVAT CHRISTUS REX




segunda-feira, 1 de setembro de 2014

As almas do Purgatório

As almas do purgatório:

Relatos de três Santos: São Paulo da Cruz / Santa Lutgarda /  Santa Verônica Giuliani.

• São Paulo da Cruz, estando em oração, ouviu que batiam à porta com força. – Que queres de mim, pergunta. - Quanto sofro. Quanto sofro meu Deus! Sou a alma daquele padre falecido. Há tanto tempo estou num oceano de fogo, há tanto tempo! Parecem mil anos! São Paulo da Cruz o conheceu logo e respondeu admirado: Meu padre faz tão pouco tempo que faleceu e já me falas em mil anos. O pobre padre pediu sufrágios e desapareceu. São Paulo da Cruz, comovido, orou muito por ele e no dia seguinte celebrou a Missa pelo defunto. Viu-o, então, entrar triunfante no céu, na hora da comunhão.

• Santa Lutgarda viu o Papa Inocêncio III no purgatório e ouviu dele que lá permaneceria até a consumação dos tempos por causa de alguns erros no governo da Igreja, e Nosso Senhor mostrou-lhe quatro padres que estavam lá já mais de cinquenta anos, por administrarem mal o Santíssimo Sacramento.

Santa Verônica Giuliani fala de uma irmã que deveria ali permanecer tantos anos quantos passou neste mundo.
SÃO PAULO DA CRUZ
SANTA LUTGARDA
SANTA VERONICA GIULIANI

VIVAT CHRISTUS REX

google.com/+VIVACRISTOREI

salvecristorei.blogspot.com.br

www.pinterest.com/vivacristorei

twitter.com/VivaCristoRei

Postagem em destaque

Padre Francesco Bemonte

Padre Francesco Bemonte - Presidente da Associação Internacional de Exorcistas. São Pio de Pietrelcina, como também o beato carmelita e...